Design Thinking : veja como usar o com foco na experiência do colaborador

Tempo de leitura: 6 min
Design Thinking

Hoje, na área de Recursos Humanos, é essencial que a empresa se preocupe em buscar por uma inovação que contribua para a experiência do colaborador, e o Design Thinking é uma delas — em uma tradução literal, significa “pensando em design”. Como o próprio nome já diz, é uma metodologia que veio da área de Design, mas que também é aplicada em diferentes setores, inclusive o de RH.

Por meio dela, a equipe tem a oportunidade de pensar fora da caixa e colocar a experiência dos profissionais como foco. Isso pode, por exemplo, ajuda na sua retenção de talentos.

Pensando nisso, elaboramos este material para que você entenda o que é Design Thinking e quais são os diferenciais de utilizar essa metodologia, além de conferir dicas de como ela pode ser aplicada no dia a dia de seu negócio. Continue a leitura e saiba mais!

O que é Design Thinking?

Primeiro, vamos ao significado desse conceito: conforme dissemos, a sua tradução literal é “pensando em design”. Nesse sentido, trata-se de uma metodologia na qual profissionais utilizarão conceitos do Design para solucionar as demandas de sua equipe, alcançando resultados satisfatórios a partir disso.

No Design, o foco sempre é voltado para a experiência do cliente: como ele consumirá aquela marca, quais são as estratégias para que ele tenha uma boa navegabilidade no site, entre outras demandas que tenham como objetivo estimular as pessoas a permanecerem por mais tempo nos canais da empresa. Quando adotamos a metodologia para outras áreas, o foco é parecido — no caso do RH, será especificamente no colaborador.

Tim Brown, formado em Design Industrial, foi a pessoa responsável por tornar esse termo popular nas empresas do mundo todo. Em suas criações, ele voltava as estratégias para a perspectiva do público: o projeto só iria para frente se fosse intuitivo e reconhecesse padrões. Nesse contexto, podemos definir o Design Thinking como uma estratégia que foca na experiência do usuário final, independentemente de qual seja ele.

Quais são as etapas do Design Thinking?

Agora que você já conhece o significado desse conceito, chegou o momento de conferirmos quais são as suas etapas. Veja, a seguir.

Imersão

A primeira fase do Design Thinking é a imersão, onde os profissionais devem ser imersos no problema em questão, avaliando-o de diferentes ângulos. Debates são sempre muito bem-vindos, assim como estudos sobre aquele contexto em específico. Diferentes pontos de vista contribuirão para que a equipe não tire nenhuma conclusão rasa, o que impactaria negativamente o time.

Para o entendimento desse cenário, recomenda-se que haja uma coleta detalhada de dados, assim como a criação de personas — representação semi fictícia da pessoa ideal.

Idealização

Depois que a equipe fizer a imersão, chegou o momento da idealização. Nessa etapa, todas as informações obtidas são sintetizadas e analisadas. Desse modo, a equipe terá a oportunidade de identificar padrões, entender de forma mais clara o problema e discutir possíveis soluções e os impactos que elas trarão para o time.

Implementação

Com a análise de dados feita e a discussão das possíveis soluções, chegou o momento de colocar as ideias em prática. Na implementação, torna-se necessário que o Recursos Humanos elabore diferentes simulações e avalie quais seriam os resultados antes de definir por aquela que seria ideal para os problemas da equipe. Além disso, é nessa etapa de testes que as pessoas identificarão os possíveis problemas que existem para que chegue a uma solução eficaz.

Como aplicar o Design Thinking na empresa?

A seguir, selecionamos algumas dicas úteis para que a sua empresa possa adotar o Design Thinking na empresa. Confira!

Tenha um objetivo

Assim como em qualquer outra estratégia do RH, é essencial que tenha um objetivo bem definido no momento que for aplicar essa estratégia. Nesse sentido, o ideal seria identificar o problema a ser solucionado como uma das primeiras fases da implementação.

Caso o Recursos Humanos tenha identificado que a taxa de turnover está elevada, esse é um gargalo que precisa ser solucionado. Afinal, demissão e contratação gera gastos, além de ocasionar em perdas de capital humano — bem como trazer impactos para o clima organizacional e para o absenteísmo.

Dessa forma, reduzir o turnover e aumentar a satisfação das pessoas de um time seria um objetivo a ser solucionado e discutido pela equipe, de acordo com as fases do Design Thinking.

Ouça a equipe com atenção

Outro ponto importante para implementar o Design Thinking no RH é ouvir a equipe com atenção. Muitas vezes, a área só identificará os possíveis problemas existentes na empresa, as necessidades e os desejos das pessoas se elas forem ouvidas. O setor pode acreditar, por exemplo, que os benefícios oferecidos às pessoas estão positivos e gerando motivação, enquanto a equipe considera que poderiam trazer outros diferenciais.

Uma boa saída é a realização da pesquisa de clima organizacional. Nela, as pessoas têm a oportunidade de trazer as suas percepções sobre políticas, práticas e processos da empresa. A partir desse diagnóstico, o RH obtêm insumos suficientes para dar prosseguimento com a estratégia.

Identificar os principais problemas

A pesquisa trata-se apenas de um diagnóstico, e por isso, o próximo passo é identificar os principais problemas envolvidos no time e traçar ações que possam solucioná-los. Existe a possibilidade, por exemplo, de as lideranças estarem insatisfeitas quanto aos investimentos em capacitação ou, ainda, de haver um problema de reconhecimento na empresa.

Idealize as possíveis soluções

Conforme vimos, uma das principais etapas do Design Thinking no RH é a criação de soluções para o time. Entendido os problemas e definido o objetivo, chegou o momento de trazer ideias para solucionar essa questão. Nesse caso, uma prática indicada é o brainstorming, e para que a equipe o faça de modo eficaz, alguns passos devem ser seguidos:

  • apresente o problema para que o time se prepare com ideias para o momento do brainstorming;
  • esteja aberto a todas as ideias que sejam apresentadas durante a reunião, uma vez que podem originar em mais atrativas;
  • ofereça materiais previamente para que as pessoas estudem sobre o tema;
  • anote todas as informações escritas de forma legível e visualmente atrativa;
  • foque na geração de ideias — e não na implementação.

Suponhamos que o problema na empresa seja reconhecimento (citado mais acima), a equipe pode chegar a conclusão de que realizar uma gestão de benefícios mais detalhada e que atenda às necessidades principais das pessoas seja uma solução.

Transforme as soluções em protótipos

Ideias discutidas, chegou o momento de transformá-las em protótipos. Isso significa colocá-las em prática e entender quais seriam os desafios que surgiriam a partir dali, bem como possibilitar que as pessoas interajam.

Voltando ao exemplo do reconhecimento e a ideia de aprimorar a gestão de benefícios, a equipe tem a necessidade de avaliar quais seriam as pessoas envolvidas e quais seriam os cuidados para implementar a gestão de benefícios, além de avaliar diferentes propostas até que chegar naquela que seria mais adequada para a realidade do negócio.

Estimule a criação de novas ideias

Independentemente de qual etapa do Design Thinking a sua empresa esteja, sempre estimule a criação de novas ideias. Ainda que não seja específica para aquele problema em questão, insights serão relevantes para que a equipe consiga implementá-los futuramente e garantir maior satisfação dos profissionais.

Teste

Ao final de todo o processo, chegou o momento de testar as ideias discutidas e avaliar como elas são percebidas na prática. O ideal é que a equipe pegue a mais simples, analise quais foram os pontos positivos e negativos e aperfeiçoe essa solução para um projeto mais complexo.

Quais são os benefícios do Design Thinking para a empresa?

Confira, agora, alguns dos principais benefícios do Design Thinking para as empresas.

Maior engajamento dos colaboradores

De acordo com uma pesquisa feita pela Gallup, no Brasil, apenas 27% dos colaboradores são ativamente engajados. Nesse cenário, buscar por soluções que contribuam para a satisfação das pessoas de um time — como o Design Thinking — contribuirá para a retenção de talentos e trazer melhorias à imagem da empresa como um todo.

Otimização de processos

Conforme vimos, o Design Thinking contribui de forma direta para que a empresa identifique e solucione os problemas. Assim, aumentam-se as possibilidades de otimizar processos no negócio, trazendo reflexos diretos para a produtividade da equipe.

Mais qualidade para produtos e serviços

Consequentemente, a empresa terá mais qualidade nos produtos e serviços ofertados. Além de mais satisfeitos com o ambiente de trabalho, as pessoas terão mais prioridade em melhorar processos internos — trazendo resultados diretos para a percepção que o cliente tem do atendimento.

Neste conteúdo, você pôde entender o que é Design Thinking e como ele funciona, além de avaliar algumas de suas principais vantagens. Em todo esse processo, é essencial contar com o apoio da tecnologia como aliada. Por meio dela, o time tem a oportunidade de coletar e analisar dados de forma automatizada, além de desenhar processos que sejam mais efetivos para os objetivos do negócio. Assim, as chances de a empresa usufruir desses diferenciais são maiores.

Gostou deste conteúdo? Então, para ficar por dentro de outros temas relacionados ao RH, assine a nossa newsletter e receba os materiais diretamente em sua caixa de entrada!

Gostou? Compartilhe

Quer conhecer mais sobre os benefícios flexíveis da Vee? Preencha o formulário e entraremos em contato com você.