Gestão de benefícios: confira um guia completo para o seu negócio

Tempo de leitura: 9 min
Como fazer uma boa gestão de benefícios na sua empresa

Hoje, o departamento de Recursos Humanos está deixando para trás o título de área de custo necessário para assumir, cada vez mais, a qualidade de área essencial para o desenvolvimento estratégico. O avanço das ciências administrativas tem reforçado a importância de valorizar a humanização nas organizações. Diversos estudos mostram que esse detalhe é o segredo para se alcançar a alta performance.

Nesse sentido, os benefícios que uma empresa oferece são um grande diferencial competitivo. No entanto, como implementá-los de forma inteligente para o negócio?

Pensando nisso, fizemos este artigo especial sobre gestão de benefícios! Continue a leitura e confira os principais aspectos desse gerenciamento. Vamos lá?

Conheça as vantagens de oferecer benefícios em uma empresa

A gestão de benefícios é um dos principais dispositivos utilizados no gerenciamento estratégico de pessoas para estimular o engajamento, assim como reter talentos. As vantagens geradas por essa boa prática são inúmeras e é possível comprová-las por meio de análises comparativas entre indicadores de People Analytics, Comunicação e Desempenho de uma organização. A seguir, saiba mais sobre os ganhos possíveis dessa estratégia.

Atração e retenção de talentos

Você sabia que 84% dos colaboradores que estão satisfeitos com os seus benefícios apresentam maior satisfação também em relação ao trabalho? Naturalmente, isso impacta positivamente o seu indicador de turnover (rotatividade de funcionários). Outro ganho é o de colaboradores promotores do seu negócio. Quando satisfeitos, eles promovem o seu employer branding para outros talentos, que vão se sentirem instigados a fazerem parte do seu headcount (quadro de pessoal).

Uma das frentes que a atração e retenção de talentos também atua é na manutenção do know how (saber como fazer). Toda empresa deve enxergar os seus colaboradores como ativos do negócio, que detém conhecimentos únicos quanto ao funcionamento das rotinas diárias.

Quando esse talento é perdido para o mercado, a sua organização está perdendo informações estratégicas, bem como tendo que empregar energia para contratar e treinar outro colaborador. Por isso, o cenário mais ideal para qualquer empresa é manter os seus colaboradores satisfeitos e engajados.

Redução de custos operacionais

Um dos grandes problemas que assombram o departamento de RH são os custos. Essa área sempre foi reconhecida por suas despesas. No entanto, com o avanço de processos ocasionado pela transformação digital, percebeu-se que é possível encontrar oportunidades de ganho em diversas rotinas produtivas.

Com a retenção de talentos em si já é possível reduzir uma série de custos operacionais que são extremamente altos para o negócio, como processo seletivo, treinamentos e desligamentos. Utilizando softwares para o gerenciamento da operação de RH é possível alcançar melhor performance dos custos da área, principalmente quando a tecnologia é aplicada à gestão de benefícios. Existe uma expectativa de aumento de quase 10% na utilização de softwares no RH até 2025.

Fortalecimento da cultura

Uma boa gestão de benefícios atua diretamente na relação dos colaboradores com a sua marca. Nesse sentido, tem-se uma conquista de fortalecimento da cultura do negócio. Quando os colaboradores estão mais satisfeitos, eles tendem a ficarem mais abertos, do ponto de vista psicológico e comunicacional, às boas práticas da empresa.

É uma relação complexa a questão da cultura corporativa: ao mesmo tempo que ela é uma diretriz do negócio também é construção diária feita pelos colaboradores. Vale reforçar que para uma cultura organizacional forte é essencial implementar outras estratégias em parceria à gestão de benefícios inteligentes.

Otimização do desempenho

A relação entre felicidade e performance é uma realidade nas empresas. Inclusive, há muitas organizações que estão desenvolvendo o cargo de CHO (Chief Happiness Officer, ou Diretor de Felicidade). Ter uma boa gestão de benefícios melhora a experiência do colaborador e o torna um profissional mais feliz, não é verdade?

Dessa forma, tem-se uma otimização da produtividade dos seus colaboradores, uma vez que eles estão mais engajados com o negócio. Uma dica interessante para impulsionar ainda mais a melhora no desempenho é associar a gestão de benefícios com programas de meritocracia. Juntas, essas ações são poderosas no gerenciamento estratégico de pessoas.

Melhora na experiência do cliente

Você deve estar pensando que leu errado, mas não. Quando você melhora a experiência do seu colaborador, você está impactando, também, a experiência do seu cliente. Se os colaboradores estão mais satisfeitos no trabalho isso é refletido na produtividade e, inclusive, na qualidade do atendimento prestado ao cliente.

Já foi atendido por alguém que tem sorriso na voz? É bom quando nos deparamos com agentes de atendimentos que estão felizes. Essa energia passa para o cliente e torna a sua experiência mais harmônica, criando uma identificação dele com o seu negócio. Lembre-se que, direta ou indiretamente, todos os seus colaboradores impactam a experiência do cliente.

Adequação ao trabalho remoto

O home office já vinha se firmando como uma tendência no país em decorrência de novas modalidades de negócio que surgiram com a crise que começou entre 2014 e 2015. Nesse movimento, o trabalho remoto atingiu um recorde em 2018, atingindo a marca de 41,1%. Agora, com a crise mundial causada pela pandemia COVID-19, esse cenário sofreu uma aceleração profunda, uma vez que as empresas viram no home office a oportunidade para manter a produtividade mesmo no isolamento social.

Nesse movimento, as organizações estão experimentando uma série de redução de custos operacionais e o mercado indica que a tendência é a manutenção de muitas rotinas em home office após o fim da pandemia. Um terço dos Millenials (nascidos na década de 1980 e meados de 1990) se sente obrigada a voltar ao escritório, conforme uma pesquisa do LinkedIn. Para que as organizações consigam ter benefícios aderentes ao novo contexto é interessante implementar a flexibilidade: seu colaborador usa o benefício como quiser.

Entenda 6 pontos de como fazer uma boa gestão de benefícios

Não adianta ter benefícios se eles não são aderentes ao perfil dos seus colaboradores e se não há um gerenciamento eficaz sendo realizado. Para tanto, elaboramos algumas dicas fundamentais para conseguir implementar uma gestão de benefícios inteligente no seu departamento de RH. Veja só!

1. Conhecer o perfil dos colaboradores

A sua empresa tem relatório de People Analytics? Se o seu RH ainda não faz a coleta e análise de dados de pessoas chegou a hora de começar a colocar isso em prática! Conhecer o perfil dos seus colaboradores é o primeiro passo para realizar qualquer ação que os envolva, tanto para as necessidades do departamento de Recursos Humanos como para a Comunicação Corporativa. Com as análises é possível desenvolver estratégias mais precisas, trazendo mais retorno para o seu negócio.

2. Analisar as necessidades do seu headcount

Além das análises de dados de controle, coloque em ação as pesquisas de clima. Elas são fundamentais para conhecer mais sobre a experiência dos colaboradores com o seu negócio. Outra dica interessante é implementar o eNPS (Employee Net Promoter Score, ou Índice Líquido do Colaborador Promotor), uma adaptação da tradicional NPS aplicado aos clientes para o contexto da gestão de pessoas.

Esse tipo de pesquisa permite a empresa fazer a coleta de dados que permitem identificar com maior precisão as necessidades do headcount. Dessa forma, as soluções desenvolvidas para o gerenciamento estratégico de pessoas são, praticamente, personalizadas. Naturalmente, o impacto positivo a diversos indicadores de performance é uma consequência.

3. Estabelecer uma Política de Benefícios

É impossível implementar uma gestão de benefícios inteligente se não temos diretrizes de atuação. Por isso, desenvolva uma Política de Benefícios para o seu negócio. Nela devem constar informações sobre quais são oferecidos por categorização de cargo, bem como indicando valores etc.

Destacamos que é essencial que essa política esteja disposta em um local de fácil acesso para os seus colaboradores poderem consultar. Uma dica é que ela seja apresentada a eles no momento do seu onboarding (a integração). Geralmente, no anúncio de vagas são apresentados os benefícios que as empresas oferecem, mas é preciso que isso seja esclarecido com mais detalhes após a admissão.

4. Definir metas para a gestão de pessoas

Quando falamos em gerenciamento, nenhuma decisão pode ser tomada sem se pensar em resultados. Por isso, defina metas que devem ser alcançadas com a implementação da gestão de benefícios. Elas devem ser incorporadas ao seu People Analytics, à Comunicação Corporativa, ao gerenciamento de custos e ao desempenho do negócio.

Lembre-se de definir metas reais, além de métricas adequadas. Não adianta nada ter metas, se os indicadores de controle e performance não são os que o seu negócio precisa. Um detalhe importante para a escolha de métricas é ter a noção de que menos é mais: não adianta criar muitos indicadores, sendo que a maioria não será usada.

5. Apostar em inovações existentes no mercado

Precisão, agilidade e qualidade são características de performance que podem ser alcançadas quando a sua gestão de benefícios usa boas práticas, como a tecnologia e a implementação de outras formas de inovações, como novas modalidades de benefícios. Estar por dentro do que surge no mercado é o segredo para fazer otimizações contínuas na sua gestão de benefícios é o segredo para que ela sempre tenha alta performance.

Nesse sentido, o uso de softwares e a adoção de benefícios flexíveis são ações tendências para o RH em 2020 e nos próximos anos. Mas comece a transformação do seu RH agora! Não deixe que a concorrência se destaque por um pioneirismo que pode ser do seu negócio, afinal, agora você já sabe o que é fazer.

6. Mensurar o resultado das ações implementadas

Nós já falamos um pouco sobre a importância dos indicadores para a gestão de benefícios. Mas queremos reforçar o quanto é necessário ter um cronograma de rotina para acompanhar e fazer a consolidação do resultado das suas métricas. Um dos grandes equívocos no gerenciamento de processos é deixar para conferir os indicadores no último momento.

O ideal é usá-los de forma preditiva, para corrigir a rota e melhorar a qualidade das tomadas de decisões do seu departamento de RH. Lembre-se que para fazê-lo deixar de ser uma área operacional e se tornar estratégica deve-se implementar uma cultura data driven (direcionada a dados).

Saiba como fazer a escolha dos benefícios mais indicados

Você já sabe como fazer a implementação do processo necessário para a gestão de benefícios. No entanto, queremos detalhar mais sobre como identificar quais são os benefícios mais adequados para a sua organização após a validação do perfil dos seus colaboradores e dos profissionais do mercado que o seu negócio quer atrair. Continue a leitura e saiba como fazer isso.

Conhecer o que é praticado pela concorrência

O seu negócio precisa acompanhar o que os seus concorrentes fazem para gerir o capital humano. Os benefícios são atrativos para os profissionais e um dos diferenciais na hora de escolherem uma empresa para trabalhar. Por isso, busque conhecer quais são os benefícios que os seus concorrentes oferecem.

No mercado, uma tendência que está se consolidando é os benefícios com clube de descontos. Nesse modelo, o seu colaborador tem descontos especiais na compra de produtos em determinadas marcas. Aqui na Vee, por exemplo, a sua equipe tem condições especiais na Zenklub — cuidar da saúde emocional tem sido muito importante com a pandemia, não é verdade?

Pesquisar sobre as alternativas existentes

Hoje, existem diversos tipos de benefícios no mercado. Além dos obrigatórios, sendo sua maioria definida por convenção coletiva dos sindicatos, como o vale-refeição e a alimentação, há opções para deixar o seu negócio mais atrativo. Nesse sentido, os benefícios flexíveis são uma das novidades existentes no mercado e tendência no segmento.

Um cartão pré-pago e que seja aceito em diversos estabelecimentos é uma ótima opção de benefício para os seus colaboradores. Com esse recurso, eles têm a personalização dos benefícios e podem usar da maneira que quiserem. A satisfação e o impulsionamento do engajado desses talentos é consequência.

Verificar o atendimento dessas empresas

Um ponto que deve ser destacado na hora de verificar as opções no mercado é buscar referências sobre a qualidade do atendimento prestado pelo fornecedor do benefício. Lembre-se que a sua equipe de benefícios vai precisar entrar em contato com o fornecedor, bem como todos os usuários. Um mau atendimento do fornecedor vai impactar diretamente na experiência do seu colaborador.

Conte com um parceiro que esteja preocupado com o sucesso do seu negócio. Na Vee, os nossos especialistas estão preparados para ajudar você a implementar a melhor solução em benefícios do mercado.

Validar a oferta de serviços diferenciados

A gestão de benefícios atua na atração e retenção de talentos e deve oferecer diferenciais competitivos para que a sua empresa seja atrativa aos olhos dos profissionais, correto? Dessa forma, a sua escolha deve oferecer serviços diferenciados para os seus colaboradores, como:

  • planos de fidelidade e cashback;
  • descontos exclusivos em parceiros;
  • aceitação em mais de 2 milhões de pontos comerciais.

Todas essas vantagens e serviços diferenciados você pode encontrar na Vee. Com a nossa solução flexível a sua empresa se destaca no mercado e otimiza a gestão de benefícios do negócio. Oferecemos também gerenciamento de vale-transporte e opção de crédito consignado para os seus colaboradores.

O que acha de colocar em prática o RH estratégico começando com uma gestão de benefícios disruptiva? Entre em contato conosco e descubra como podemos revolucionar o gerenciamento de pessoas do seu negócio!

Gostou? Compartilhe

Veja 5 dicas de como estruturar cultura organizacional na sua empresa

Tempo de leitura: 4 min
Veja 5 dicas de como estruturar cultura organizacional na sua empresa

Você sabe a importância de estrutura uma cultura organizacional dentro de sua empresa não é mesmo? Mas, na hora de estruturá-las, você sabe quais são as melhores estratégias para isso? Se não esta na hora de descobrir!

A cultura organizacional é o conjunto de valores e crenças compartilhados pelos colaboradores dentro de sua empresa. Ela é importante pois mantém o seu time alinhado em torno dos objetivos do negócio. Saber qual é e como estruturar a cultura organizacional de seu negócio é essencial para garantir o engajamento dos colaboradores e conduzir a empresa rumo ao sucesso.

Descubra agora quais são as melhores práticas para isso.

1. Crie um documento que contemple tudo o que foi definido para a cultura organizacional

O primeiro passo para estruturar uma cultura organizacional dentro de sua empresa é deixar bem claro as crenças, hábitos e valores que você quer que seus funcionários compartilhem no ambiente de trabalho.

Para isso, defina um código de ética com os valores e práticas aceitáveis e inaceitáveis dentro da empresa. Pontue as diretrizes que a organização procura e os objetivos que desejam alcançar. Também é válido desenvolver essas ideias com o auxílio de seus colaboradores para ver qual a visão deles sobre a empresa e trazer práticas para deixar o ambiente de trabalho mais agradável a todos.

Após esse processo, é importante criar um documento com esse material para que seja acessado por todos os funcionários a qualquer momento. E lembre-se de colocar em prática essas normativas. Não as deixe somente no papel. Assim você começa a estruturar a cultura organizacional de seu negócio e demonstra as práticas que espera da sua equipe.

2. Fortaleça a cultura desenvolvida

Agora que você já definiu quais diretrizes que sua cultura empresarial vai seguir, está na hora de fortalecê-la dentro da empresa. Uma boa forma de fazer isso, é aplicando treinamentos em sua equipe abordando as diretrizes.

A prática de gamificação segue sendo tendência para essa finalidade. São medidas de ensino que estimulam os colaboradores através de jogos, podendo ter uma bonificação no final da etapa. Isso ajuda a fortalecer laços com os funcionários e, ao mesmo tempo, passa a eles as medidas esperadas dentro da empresa. É importante também fazer avaliações sazonais para ver se o aprendizado se encontra em dia e se ainda ocorre a interação com a cultura empresarial.

Outra forma de fortalecimento desses ideais é por meio do investimento na propagação desses valores. Aumente a visibilidade de sua logomarca dentro do negócio, dissemine mensagens com a cultura e faça questão de que elas estejam à mostra para que todos possam ler. Utilize de imagens e exemplos que descrevem os hábitos de sua empresa. Você verá que todo esse esforço é válido, pois fortalece os pilares de sua estrutura organizacional.

3. A liderança deve dar o exemplo da cultura

A relação da chefia com os ideais, tem um papel fundamental para a solidificação da cultura empresarial. O CEO e os líderes do negócio servem de referência e inspiração aos demais funcionários. Como você pode esperar que seus colaboradores sigam as diretrizes da empresa se os cargos acima não?

Por isso é importante estar bem claro com a liderança o que se espera na empresa. Assim que eles estiverem familiarizados com a cultura da empresa instrua-os a fortalecer essas ideologias com seus subordinados.

Uma boa forma de fazer isso é mostrando as vantagens de estar a par do valores da instituição, por exemplo dando oportunidades de promoção ou bonificações aos funcionários que tenham relação com a cultura da empresa.

4. Deixe as normas claras

Toda forma de cultura é fundamentada e reforçada por meio de valores a serem adotados e regras a serem seguidas.

Agora que você já apresentou os ideais da empresa a seus funcionários, está na hora de deixar bem claro as regras que devem ser seguidas. Alguns exemplos de normas que podem ser adotadas são:

  • dress code: deixe bem claro quais as formas de vestimenta que são apropriadas para o local de trabalho;
  • horário de trabalho: estipule os horários de expediente dos funcionários e deixe bem claro as medidas que serão tomadas por atraso e horas extras;
  • comunicação: defina bem como funcionará a interlocução interna da empresa e busque e criar diferentes canais de comunicação de modo a facilitar o acesso à chefia;
  • transparência: Apresente o máximo de informação possível da empresa a seus funcionários, como mestas e resultados, buscam criar um engajamento e motivação na equipe.

5. Contrate pessoas que estejam alinhadas a essa cultura

Agora que você já desenvolveu uma cultura dentro de sua empresa, deve ter a preocupação em mantê-la. São os funcionários que dão continuação a esses ideais e por isso é importante ficar atento a que compõem sua equipe.

Ocorre muitas vezes a necessidade de uma contratação rápida, seja por demandas acumuladas ou pelo crescimento rápido da empresa o que gera um alto índice de turnover. Na hora de contratar, o RH deve buscar profissionais que se enquadrem e identifiquem a cultura da empresa para que isso não ocorra.

Um bom currículo é importante, mas não deve ser o único critério a ser averiguado. Durante o processo, busque identificar nos candidatos, valores e hábitos que se relacionam aos ideais da empresa. Desenvolva dinâmica de contratação que facilite perceber essas qualidades. Com isso ocorrerá de ter uma equipe mais engajada com os pensamentos da marca. Com isso haverá a diminuição da rotatividade e o fortalecimento da cultura empresarial.

No artigo você pode observar a importância de desenvolver uma cultura organizacional para o sucesso de seu negócio. É por meio dessas práticas que a empresa instruirá seus funcionários a compartilhar os valores e hábitos esperados dentro do ambiente de trabalho. Isso pode aumentar a motivação e o engajamento de sua equipe, resultando em mais eficiência nas atividades realizadas.

Você também pode perceber uma melhoria na clareza das normas e na comunicação interna da empresa. Por esses e ouros motivos, aproveite as dicas do texto e comece agora mesmo a estruturar a cultura organizacional de sua empresa e usufrua dos benefícios que ela traz.

Gostou do assunto? Que tal nos seguir em nossas redes sociais para saber mais? Estamos presente no FacebookLinkedInInstagram YouTube!

Gostou? Compartilhe

Como fazer uma gestão de RH eficaz na empresa? Confira!

Tempo de leitura: 8 min
Como fazer uma gestão de RH eficaz na empresa?

Para que uma empresa possa proporcionar resultados mais atrativos, existe a necessidade de investir na inovação de seus processos. Por meio dessa estratégia, colaboradores são mais valorizados, assim como seus clientes. Além disso, há a oportunidade de otimizar o que já trazia resultados, bem como proporcionar o aumento nas vendas. No entanto, além de buscar por novidades e tendências para as outras áreas, é preciso buscar por uma gestão de RH eficaz, que trará melhorias para a empresa como um todo.

Pensando nisso, elaboramos este conteúdo para que você saiba quais são os pontos que serão beneficiados com essa questão, bem como entender como fazer uma gestão que trará um retorno mais significativo. Continue a leitura e saiba mais.

Quais os pontos serão beneficiados com uma gestão de RH eficaz?

Inicialmente, vamos entender um pouco mais sobre os benefícios que a sua empresa poderá usufruir para uma gestão de RH eficaz. Confira!

Contratações mais eficazes

Entre os fatores que contribuem para a alta taxa de turnover — índice que mede a rotatividade dos profissionais em sua organização — a contratação de um profissional que não tem o perfil de seu negócio pode ser considerada uma das principais.

Hoje, mais que buscar por qualificações técnicas efetivas, existe a necessidade de buscar por um colaborador que compactua com os mesmos valores de sua empresa, de modo que ele sinta motivado dia a dia e acredite no crescimento da organização como um todo.

Uma gestão de RH eficaz contribuirá para a criação e implementação de uma cultura organizacional, que trará uma redução de dificuldades e conflitos, vai favorecer o desenvolvimento de uma imagem positiva da empresa em relação ao mercado, além de ser um diferencial entre os concorrentes. Para isso, é preciso criar um documento com as principais informações necessárias sobre a cultura, alinhar os objetivos com os colaboradores, além de demonstrar na prática como ela pode ser aplicada.

Além disso, é necessário promover treinamentos com gestores de diferentes áreas, de modo que eles entendam os principais pontos e possam dar o exemplo em suas lideranças. Por fim, também é preciso buscar por profissionais no mercado que tenham fit com essas determinações, elaborando um processo de recrutamento criterioso para que haja a identificação daquela pessoa com os valores requeridos.

Entendimento sobre as particularidades dos profissionais

A gestão de RH também permitirá o desenvolvimento das principais lideranças para que identifiquem as particularidades de cada profissional e crie um time que se complemente. Entender quais são as habilidades de cada um e desenvolvê-las para o crescimento da empresa é o diferencial de qualquer organização, uma vez que a equipe estará apta a entregar o que de melhor tem a oferecer.

Também é preciso se preocupar com a diversidade na empresa. Ao olhar com cuidado para essa questão, o ambiente de trabalho se torna mais cooperativo e acolhedor. Como consequência, profissionais se tornarão mais engajados, com menor risco de conflitos entre as pessoas, além de comprovadamente aumentar a criatividade nesse espaço. Isso porque o seu quadro de colaboradores terá mais autoconfiança em propor e estimular novas ideias, uma vez que a gestão traz condições para isso.

Atração e retenção de talentos

É a gestão de RH eficaz que vai contribuir para a atração e retenção de talentos. Entre os motivos que contribuem para a alta taxa de turnover, além de um processo de contratação falho já mencionado, destacamos:

  • desgaste físico e psicológico dos colaboradores;
  • não investimento em saúde organizacional;
  • oferecer tratamento diferenciado para diferentes áreas ou diferentes profissionais;
  • não contar com uma cultura organizacional alinhada;
  • conflitos entre gestões;
  • falta de reconhecimento pelo trabalho exercido;
  • ausência de um plano de carreira;
  • falta de oportunidades para o crescimento daquele colaborador.

Como consequência, a sua empresa terá despesas significativas com demissão e admissão. Lembre-se, esse é um processo que causa custos e que também gera desgastes aos profissionais envolvidos, uma vez que recrutar e selecionar pessoas traz como consequência prejuízos na otimização de tempo e também para um foco mais estratégico de seus setores.

Para a retenção de talentos, pode-se investir ainda em employer branding, uma estratégia cujo objetivo é construir uma imagem positiva da empresa para os próprios profissionais. Ao trabalhar esse conceito, o seu negócio contribui para um melhor engajamento das pessoas, constrói um banco de talentos de qualidade, além de trabalhar o programa de desenvolvimento na organização de forma mais efetiva.

Oferecer benefícios flexíveis aos colaboradores

Quais os melhores benefícios para as empresas? Pensar além daqueles obrigatórios contribui para engajar e motivar funcionários, para aumentar a produtividade dos times, para diminuir a recorrência de faltas e atrasos, além de formar um ambiente propício para o desenvolvimento de novas ideias e para o dia a dia dos profissionais mais tranquilo e positivo para executar as suas funções.

Pensar em benefícios flexíveis traz ganhos ainda maiores para a empresa como um todo. Entre as tendências de RH existentes, talvez essa seja uma das mais práticas a serem adotadas que trarão resultados a curto prazo. Para entendê-los, precisamos explicar seus dois argumentos principais:

  • a competitividade de um negócio colocou a performance de profissionais como uma das principais preocupações, exigindo com que as empresas buscassem por soluções para motivá-los continuamente;
  • o estilo de vida das pessoas vem mudando a cada dia — hoje, a qualidade de vida é um dos fatores mais considerados pelos profissionais.

Como a tecnologia vem oferecendo cada vez mais suporte para as organizações, o processo ficou facilitado para o oferecimento desse diferencial. Mas do que se tratam, afinal? É a oportunidade que o seu negócio dá ao profissional de escolher os seus próprios benefícios. Ou seja, de acordo com as suas necessidades e com a realidade na qual vive.

Entre os benefícios que compõem essa política, destaca-se:

  • academia;
  • educação;
  • auxílio pet;
  • clubes e atividades recreativas;
  • consultorias, entre outros.

Basta a organização configurar os padrões para que depois o profissional possa escolher o que fazer com o valor recebido.

Mas então, como fazer uma gestão de RH eficaz?

Agora que você já conhece todos os benefícios de uma gestão de RH eficaz, chegou o momento de entendermos quais são as estratégias que podem ser adotadas em seu negócio para que você usufrua desses ganhos. Confira!

Aposte na tecnologia como aliada

A transformação digital permitiu que diferentes setores pudessem adotar a tecnologia como aliada de suas áreas. Hoje, existem soluções que contribuem para a otimização do trabalho e para a automação das tarefas das mais variadas demandas, permitindo com que a equipe se torne mais estratégica e produtiva.

Por meio de ferramentas que existem no mercado, a área de Recursos Humanos tem a possibilidade de tomar decisões mais acertadas, uma vez que as informações serão mais bem organizadas, além de todas as iniciativas serem baseadas em dados. Conforme abordado, também tem a possibilidade de o setor se tornar mais estratégico, especialmente em períodos desafiadores nos quais a gestão de pessoas se torna fundamental para o crescimento e desenvolvimento da empresa.

Também trará mais economia para a organização, principalmente se considerarmos a facilidade observada em processos seletivos e também no melhor uso de finanças e bens materiais. Com todos esses ganhos, é fundamental que os Recursos Humanos usufruam da tecnologia desenvolvida pelo mercado, de modo que possa contribuir com o crescimento da organização.

Busque soluções inovadoras

Ao mencionarmos as soluções inovadoras, não estamos abordando apenas de ferramentas tecnológicas. Existem estratégias que podem ser aplicadas para trazer maior engajamento de seus profissionais, além de torná-los promotores de sua marca.

A gestão dos benefícios é uma delas. Ao contar com estratégias eficazes nesse sentido, você vai permitir com que o colaborador tenha um apreço maior pela organização, justamente por entender que ela se preocupa com as suas principais necessidades, além de crescer a percepção de poder de consumo. Vai contribuir, também, para o seu sentimento de valorização, sendo motivado continuamente a atingir os objetivos esperados pela empresa.

Para o negócio, os ganhos são relevantes. A performance vai melhorar perceptivelmente, sendo esse um diferencial competitivo no mercado — lembre-se sempre de que, assim como o marketing para seus clientes é um fator de preocupação, o endomarketing deve ser valorizado, uma vez que os clientes internos proporcionarão diretamente melhores resultados.

Adote estratégias para um bom clima organizacional

Chegamos a mencionar sobre a importância do clima organizacional, mas quais estratégias adotar para proporcionar ganhos nesse sentido? Entre as medidas a serem aplicadas, destaca-se a importância de fornecer um ambiente de trabalho que seja adequado às suas necessidades. Ou seja, preocupar-se com a ergonomia de cada colaborador e também com a satisfação particular com o próprio espaço.

Deve-se destacar, também, a necessidade de fazer pesquisas de clima organizacional. Você só terá oportunidades de trazer melhorias caso receba um feedback diretamente daqueles que mais serão beneficiados com as mudanças, que são os próprios colaboradores. Além disso, é essencial que as metas sejam viáveis, uma vez que objetivos inalcançáveis tendem a trazer efeito contrário, desmotivando a equipe como um todo.

Por fim, ofereça horários flexíveis. Entre os ganhos dessa estratégia, mencionamos:

  • redução de custos;
  • aumento da produtividade dos colaboradores;
  • redução de atrasos e faltas sem justificativas;
  • maior engajamento.

Estimule a cultura do feedback

Uma empresa que se preocupa com o desenvolvimento de seus profissionais, certamente está atenta no modo de trabalho de cada um, nas suas competências e desafios enfrentados. Para que eles possam superar suas principais dificuldades, existe a necessidade de contar com o apoio de seus gestores, bem como uma orientação para elaboração de planos de ação a partir dos pontos observados.

Isso só será possível por meio de feedbacks. Para que essa cultura seja implementada, gestores precisam estar capacitados para oferecer um retorno aos seus liderados sobre o seu trabalho e as melhorias que devem ser executadas, bem como os pontos positivos que contribuem para que a equipe obtenha melhores resultados.

O ideal é que todos estejam preparado para que este momento seja objetivo e construtivo. Além disso, é necessário começar pelos pontos fortes e estar sempre disposto a ouvir. A sinceridade e a lealdade são características fundamentais nesse momento, assim como o auxílio para traçar planos. Assim, os colaboradores entenderão a forma de elaborar um feedback, incluindo essa cultura em sua rotina.

É preciso que todos possam auxiliar o colega a desenvolver melhor a sua performance, bem como destacar atitudes que estejam alinhadas com a cultura da organização.

Estimule a prática do 1:1

O 1:1, também conhecido como one-on-one, trata-se de uma reunião que trata sobre determinado tema que vai exigir de uma das partes alguma ação. No entanto, essa prática pode ser contínua em sua empresa. Existem organizações, por exemplo, que gestores fazem reuniões quinzenais com seus liderados, para tratar sobre alguns temas específicos:

  • como está a rotina do liderado;
  • quais são os principais gargalos encontrados para executar as suas funções de forma positiva;
  • quais foram os pontos positivos desses últimos 15 dias;
  • como o colaborador acredita que a sua liderança poderia contribuir de alguma forma;
  • apresentar novidades da equipe e também dos processos da empresa, entre outros pontos.

As vantagens dessa prática são muitas. Por meio dessa estratégia, há uma troca de ideias mais sincera, os colaboradores se sentem de fato ouvidos pelos seus gestores, além de contribuir para o desenvolvimento de seus profissionais. Além disso, o líder terá a oportunidade de receber feedbacks, o que faz a equipe criar vínculos mais fortes e sinceros.

Capacite constantemente a sua equipe

A capacitação da equipe também deve ser priorizada. Nesse contexto, destaca-se não apenas o investimento em profissionais de outras empresas para trazerem as suas experiências, como o próprio aprendizado de membros de sua própria organização. Existem diferentes setores e distintas atribuições em uma organização. Por essa razão, membro de determinada área pode passar as suas experiências para os demais colegas, bem como as suas impressões sobre um tema que tenha mais domínio.

Semanalmente ou quinzenalmente, algum colaborador pode fazer uma pequena palestra sobre determinado assunto. Assim, você vai integrar áreas, permitir com que haja a aplicação dos valores “ensinar” e “aprender”, além de valorizar todas as funções de suas equipes.

Neste conteúdo, você pôde entender de forma mais precisa como fazer uma gestão de RH eficaz. Ao aplicar essas dicas, vai contar com uma cultura organizacional bem estabelecida, além de colaboradores satisfeitos com suas funções e a com sua empresa. Dessa forma, terá resultados não apenas na produtividade, como também na imagem que a organização terá perante o mercado, o que contribui diretamente para melhores resultados.

Gostou do texto e deseja receber outras dicas e novidades como essas? É só assinar nossa newsletter que enviamos diretamente para a sua caixa de entrada! Ou então entre em contato com a Vee pelo nosso site!

Gostou? Compartilhe

Entenda a importância e os benefícios da diversidade nas empresas

Tempo de leitura: 5 min
Entenda a importância e os benefícios da diversidade nas empresas

Muito se fala sobre a necessidade e importância da diversidade, seja dentro de uma empresa ou em quaisquer outros grupos, ou instituições. No entanto, você sabe exatamente o que significa esse conceito? Entende o que é a diversidade nas empresas e como ela pode ser incentivada? Sabe quais são os benefícios disso, tanto para colaboradores quanto para o negócio? Se não, está na hora de descobrir!

A diversidade é a formação de grupos que tenham pessoas de diferentes gêneros, orientação sexual, etnias, experiências e formações. Ou seja, uma empresa diversa é aquela na qual os colaboradores têm valores e visões de mundo diferentes entre si. Essa característica pode agregar muito valor ao negócio, tanto no que diz respeito à retenção de talentos quanto em relação à qualidade dos resultados gerados.

Portanto, continue a leitura e descubra mais sobre a diversidade nas empresas!

Aprofundando no significado da diversidade nas empresas

Apesar de o significado de diversidade estar muito ligado à presença de profissionais com diferentes visões de mundo e origens, ela não se resume a isso. Promover a diversidade em uma empresa vai muito além do momento de contratação de novos colaboradores, incluindo também a cultura organizacional e tratamento que você oferece a cada um desses profissionais dentro do negócio.

Dessa forma, a diversidade nas empresas diz respeito a uma cultura de diversidade, na qual as diferenças são valorizadas e, inclusive, celebradas. As ideias inovadoras, críticas e feedbacks são incentivados e é importante que todos os profissionais tenham a mesma voz dentro da empresa, independentemente do cargo que ocupam e das suas características pessoais.

Além disso, a diversidade também exige o respeito. É importante que todos os colaboradores entendam e respeitem as diferenças uns dos outros. Afinal, não adianta acolher pessoas de um grupo minoritário, dando oportunidades a esses talentos, quando os outros membros da empresa excluem ou reforçam violências, como o racismo, machismo, homofobia e preconceitos de outros tipos.

Portanto, a diversidade nas empresas é essa junção de fatores, que incluí a contratação de pessoas de diversos grupos sociais e, também, a promoção da cultura de respeito e valorização da diversidade e diferenças dentro da organização.

Boas práticas para promover a diversidade nas empresas

Agora que você já sabe que a diversidade nas empresas é algo complexo, que exige uma série de mudanças, continue a leitura para descobrir as melhores práticas nesse aspecto.

Combata preconceitos ativamente

É importante entender que a sua empresa (e todas as outras) está inserida em uma sociedade repleta de preconceitos e foi nesse contexto que os profissionais que fazem parte do seu negócio foram criados. Dessa forma, existem diversos julgamentos que exigem um trabalho de conscientização e desconstrução para serem desfeitos.

Portanto, é importante que você combata, ativamente, o preconceito de qualquer tipo dentro da empresa. Convide pessoas para dar palestras aos colaboradores, mostrando quais são as atitudes que refletem esses julgamentos e como evitá-las. Mostre que desconstruir esse padrão de pensamento exige esforço, mas é possível.

Isso, além de promover um ambiente de trabalho mais saudável e agradável a todos, ainda contribui para a melhoria da sociedade como um todo.

Invista em benefícios flexíveis

Você já sabe que os benefícios são uma ótima forma de valorizar a sua equipe e, inclusive, potencializar a produtividade do time. Mas, você sabe como investir e valorizar a diversidade dos colaboradores na hora de implementar uma política de benefícios?

Nesse aspecto, os benefícios flexíveis podem ser a sua melhor opção. Eles permitem que os colaboradores utilizem esse recurso de acordo com as suas necessidades próprias. Dessa forma, eles contribuem para o respeito à individualidade e aos desejos e necessidades de cada um dos profissionais que fazem parte do negócio.

Reestruture o seu recrutamento

Você já parou para observar o quão diverso é o seu time de colaboradores hoje? Caso perceba que há uma homogeneidade em relação á formação, origem de cada um dos profissionais, raça ou gênero, saiba que isso é um reflexo da falta de diversidade, começando pelo seu sistema de recrutamento.

Isso porque, devido a diversos preconceitos da sociedade, muitos recrutadores dão preferências às pessoas brancas, em vez de negras, ou homens, em vez de mulheres, durante o processo seletivo. Isso pode acontecer de forma consciente ou não. Dessa forma, é essencial que você reestruture o seu recrutamento para evitar esse tipo de viés e garantir que a sua empresa promoverá a diversidade.

Uma estratégia bastante interessante nesse aspecto é o recrutamento às cegas, por exemplo. Nele, o recrutador analisa o perfil do candidato sem ter acesso ao seu nome, foto ou endereço, focando-se exclusivamente nas qualidades e histórico profissional.

Reflita sobre os cargos de liderança

Muitas vezes, o que acontece dentro da empresa é que os colaboradores apresentam uma certa diversidade. Porém, ela para nas funções operacionais e os cargos de liderança são prioritariamente ocupados por grupos hegemônicos (homens, brancos e heterossexuais).

Portanto, uma outra estratégia para a promoção da diversidade na empresa é refletir sobre esses cargos no seu negócio. Caso observe que esse é o caso, revise também a forma como você promove os colaboradores, de forma a garantir um processo mais justo e livre de preconceitos.

Importância e benefícios do investimento em diversidade

Promover a diversidade nas empresas traz uma série de benefícios para o negócio, profissionais e, inclusive, a sociedade como um todo. Descubra agora quais são os principais deles:

Aumenta a capacidade de inovação

Quanto mais diversa a empresa, maior é a sua capacidade de inovação. Afinal, você conta com profissionais que têm visões de mundo diferentes entre si. Dessa forma, quando eles trocam ideias e buscam por soluções em conjunto, há uma combinação das capacidades de cada um deles, permitindo sair da caixa na hora de resolver problemas ou criar produtos e serviços.

Cria um diferencial competitivo

A sua empresa precisa se destacar da concorrência, ou seja, ter um diferencial competitivo. Isso pode vir da diversidade uma vez que os clientes também percebem essa mudança na organização, fazendo com que a sua marca seja mais valorizada no mercado. Além disso, pesquisas indicam que, em empresas que favorecem a diversidade, os colaboradores se mostram mais engajados e motivados, o que faz com que eles sejam capazes de oferecer melhores produtos e serviços aos clientes, o que também se torna um diferencial competitivo.

Aumenta a retenção de talentos

rotatividade é um grande problema para as empresas e, muitas vezes, os colaboradores saem do negócio devido a conflitos ou ambiente de trabalho desagradável. Quando você promove a diversidade, ensina os seus colaboradores a respeitar as ideias e opiniões de todos e, com isso, evita conflitos e melhora o ambiente da organização. Dessa forma, há uma grande tendência a uma redução na rotatividade e aumento dos índices de retenção de talentos.

Contribui para uma sociedade mais justa

Lutar por uma sociedade mais justa, que respeite a diversidade, é papel de todo cidadão e organização. Quando você investe na diversidade, faz parte dessa luta, contribuindo para que as minorias tenham acesso às mesmas oportunidades de todos os outros grupos sociais.

Como você pode perceber, a promoção da diversidade nas empresas é importante tanto para o negócio, que se torna mais reconhecido no mercado, quanto para os profissionais e a sociedade como um todo. Essa é uma demanda do mundo atual, no qual as lutas pelo respeito às diferenças são cada vez mais intensas e relevantes. Portanto, comece agora mesmo a investir nesse processo e aproveite todos os benefícios que ele pode trazer!

Gostou do artigo? Então, aproveite e compartilhe nas suas redes sociais para propagar o conhecimento para amigos e familiares!

Quer saber mais sobre a Vee? Basta entrar em contato pelo nosso site clicando aqui.

Gostou? Compartilhe

Como os benefícios contribuem para a produtividade na empresa? Entenda

Tempo de leitura: 4 min
Como os benefícios contribuem para a produtividade na empresa?

Contar com colaboradores qualificados e produtivos é essencial para o sucesso de qualquer empresa. Afinal, eles são capazes de gerar mais e melhores resultados para o seu negócio e mais produtividade. Com isso, prover o crescimento e fortalecimento da sua marca no mercado.

Os benefícios estão entre os fatores que impactam a produtividade na empresa. Entre eles, vale destacar os flexíveis, ou seja, aqueles benefícios que podem ser utilizados de forma diferente por cada um dos seus colaboradores, dando liberdade para que eles aproveitem-os da melhor forma, de acordo com as suas necessidades. Investir nessa estratégia traz uma série de vantagens para a equipe e a consequência delas é o aumento da produtividade da sua empresa como um todo.

Quer saber como o investimento em benefícios aumenta a produtividade na empresa? Então, continue a leitura e descubra agora mesmo!

Melhora a satisfação dos colaboradores com o trabalho

Para garantir a produtividade do time, é importante que os profissionais estejam inseridos em um ambiente de trabalho propício para isso, onde eles estejam satisfeitos com a organização onde trabalham. Assim, os benefícios podem contribuir muito nesse aspecto.

Isso porque os benefícios também são uma forma de recompensar os colaboradores pelo trabalho realizado. Dessa forma, eles mostram que a empresa se preocupa e valoriza cada um dos profissionais que trabalham dentro dela, o que aumenta a satisfação dos trabalhadores com o negócio. Dessa forma, eles ficam mais inclinados a darem o seu melhor e serem mais produtivos.

Reduz os índices de rotatividade

Quando se fala em produtividade, um dos grandes vilões é a rotatividade dentro da empresa. A alta frequência de saída de colaboradores da organização exige que você contrate e treine novos profissionais para a realização das tarefas. Os profissionais que chegam ainda não estão no pico de sua produtividade.

Isso porque eles passam por um processo de adaptação durante o qual ainda se acostumam com o ambiente da empresa e com as tarefas a serem realizadas. Apenas após algumas semanas — e, até mesmo, meses — é que eles alcançam o pico da sua produtividade.

Com benefícios atraentes e que contemplam as necessidades dos seus colaboradores, há menos chances de que eles deixem a empresa. Dessa forma, os índices de rotatividade caem e, com isso, a sua produtividade pode aumentar e se manter no pico durante um bom tempo.

Atrai os melhores talentos para o seu negócio

Para garantir uma alta produtividade e, consequentemente, bons resultados para o seu negócio, é necessário contar com colaboradores qualificados e experientes, capazes de realizar as atividades da melhor forma possível e com rapidez. Para isso, é importante encontrar os melhores talentos do mercado, com as competências adequadas para as tarefas indicadas.

Os benefícios também podem ser grandes aliados nesse aspecto. Isso porque eles servem como uma atração para que esses talentos disponíveis queiram fazer parte do seu time. Afinal, entre uma proposta de uma empresa que oferece benefícios e uma que não, há uma maior tendência de o profissional escolher a que oferta esse tipo de remuneração. Dessa forma, você consegue criar um time de qualidade, capaz de produzir mais e gerar bons resultados para o negócio e para os seus clientes.

Reduz a ocorrência de atrasos e faltas

Os atrasos e faltas são outros grandes vilões da produtividade de uma empresa. Afinal, em um dia no qual um dos membros do time não comparece ao trabalho, há uma grande quebra na produtividade do grupo como um todo. O mesmo acontece quando o colaborador atrasa com frequência.

Como você já sabe, os benefícios melhoram os índices de motivação e engajamento dos colaboradores, assim como a satisfação deles com a empresa. Dessa forma, eles são capazes de reduzir a ocorrência de atrasos e faltas. Afinal, um colaborador satisfeito e engajado tem maior zelo com o seu trabalho, se esforçando para chegar sempre no horário certo e, ainda, evitando faltar, fazendo isso apenas quando é realmente necessário.

Melhorar a qualidade de vida e saúde dos colaboradores

Um colaborador que tem benefícios como o vale-refeição e alimentação, tem um determinado valor para investir no cuidado com a sua própria saúde. Dessa forma, ele pode se alimentar melhor durante a sua jornada de trabalho e depois dela. Isso permite que ele eleve a sua qualidade de vida como um todo, assim como seus indicadores de saúde, uma vez que compromete menos o seu salário ao investir em uma alimentação saudável.

Além disso, quando o colaborador tem benefícios, também tem mais condições de investir nos cuidados com a saúde, tanto física quanto emocional. Ele pode ter recursos para pagar uma academia, por exemplo, ou aulas de um esporte para ele próprio e para a sua família.

Esse tipo de impacto que os benefícios trazem para a qualidade de vida e a saúde dos colaboradores também reflete nos resultados que eles geram dentro da empresa. Ou seja, os profissionais têm melhores condições físicas e mentais para dar o seu melhor no trabalho, assim como altos índices de bem-estar, o que faz com que eles sejam mais produtivos quando comparado àqueles que não estão nas mesmas condições.

Eles têm, portanto, disposição para dar o seu melhor no trabalho e são capazes de realizar mais atividades que os colegas. Ou seja, essa é mais uma forma de evidenciar o impacto positivo dos benefícios na produtividade do seu time.

Os benefícios são grandes aliados das empresas que querem criar um diferencial competitivo e oferecer mais e melhores resultados para os seus clientes. Afinal, eles são capazes de aumentar a produtividade na empresa por melhorarem as condições de vida e de saúde dessas pessoas, aumentarem o engajamento e motivação dos colaboradores, assim como os índices de satisfação. Além disso, auxiliam no combate aos grandes vilões da produtividade, como a rotatividade, os atrasos e as faltas.

Portanto, comece agora mesmo a investir em benefícios na sua empresa. Para isso, entre em contato com a Vee Digital e descubra todas as soluções que temos para o seu negócio!

Gostou? Compartilhe

As 6 atividades essenciais do RH dentro de uma empresa

Tempo de leitura: 3 min
As 6 atividades essenciais do RH dentro de uma empresa

O setor de recursos humanos está sempre se reinventando conforme as mudanças de mercado, de demandas e de novos cenários. Uma prova disso são as tendências de RH que vêm surgindo para uma área que está ganhando cada vez mais espaço. Porém, por mais que essas transformações sejam necessárias, existem algumas atividades fundamentais que a área de Recursos Humanos deve sempre lembrar que fazem parte de seu papel, afinal são essenciais para uma empresa: melhorar os resultados do negócio aperfeiçoando os melhores talentos. 

As atividades essenciais do RH nas corporações

A seguir, você poderá ver quais são esses elementos.

1. Pesquisas e estudos de projetos

Antes de iniciar qualquer tipo de projeto, é importante que tal assunto tenha sido bastante estudado e entendido. Só a partir disso, é possível mensurar como atingir os resultados desejados de acordo com aquilo que será colocado em prática. Afinal, estamos falando de pessoas.

Assim, são necessárias pesquisas de psicologia comportamental e organizacional, análise de habilidades e entendimentos mais profundos sobre o que deve ser trabalhado em cada pessoa dentro de uma empresa, olhando para o seu individual, para que ela se desenvolva. 

2. Desempenho e desenvolvimento de carreira

Ao desempenhar um papel de desenvolvimento de um talento, visando seu potencial e melhorias, é preciso também ser possível mensurar, validar e reconhecer isso de alguma maneira. Assim, cria-se um incentivo para que o trabalho do setor de RH seja levado a sério e, inclusive, produza mais engajamento dos colaboradores.

Também é interessante manter sempre um acompanhamento individual de cada uma das pessoas da empresa, para que elas saibam que tem alguém olhando e reconhecendo a sua performance . Para isso, é sempre bom ter um processo de feedbacks frequentes, a fim de traçar bons caminhos para que os objetivos sejam alcançados. 

3. Transparência nas relações

Muitas empresas têm receio de ser transparentes com os seus colaboradores por achar que isso pode interferir na retenção de talentos. Mas, é de direito e ético da parte do RH fazê-lo, sobretudo quando se refere ao desempenho individual do colaborador.

Se cada um sabe quais são seus pontos fortes e fracos e como eles podem interferir nos resultados obtidos individual e coletivamente, fica mais fácil a obtenção de desenvolvimento organizacional mais harmônico e o atingimento de metas. 

4. Satisfação

Em pesquisa de 2015 da Harvard Business Review, averiguou-se que colaboradores satisfeitos com o seu trabalho eram 50% mais produtivos quando comparados aos que eram “somente” engajados. Para isso, é preciso que o ambiente de trabalho seja bem equilibrado em relação a funções e desempenhos, que tenha uma boa saúde organizacional e que exista uma imagem de um líder inspirador. Essa representação servirá de modelo para as aspirações que cada um terá em suas atividades do trabalho. 

5. Comunicação aberta

O RH é o ponto de apoio de todas as pessoas da empresa. É para essa área que os colaboradores vão recorrer em problemas ou questões pessoais. Portanto, é muito importante que o setor de recursos humanos promova uma canal bastante aberto para que todos saibam que podem confiar e buscar ajuda quando necessário, que aquele é  um local seguro e de confiança para que eles façam isso.  

Além disso, aqui também cabe ressaltar que o RH pode ser um facilitador na comunicação entre outras pessoas ou mesmo diferentes áreas. Uma integração de equipes é a chave do sucesso para um negócio e o setor de recursos humanos tem a capacidade de desenvolver isso.

6. Gestão de benefícios 

É de responsabilidade do RH cuidar dos benefícios que a empresa irá proporcionar aos colaboradores. Por muitas vezes, isso pode parecer uma tarefa bastante complexa, já que é preciso pensar em algo que seja de agrado de todos e possa também combinar com o estilo de vida que levam. Afinal, as pessoas são diferentes, têm escolhas que variam de acordo com o dia, cenário, vontade. A solução? Benefícios Flexíveis

Essa inovação do mercado permite que cada colaborador escolha a maneira que irá usar os seus benefícios. Ou seja, o valor oferecido pela empresa é usado como for mais conveniente, seja com cuidados com a saúde emocional, atividades físicas, clube de descontos, delivery, entre outras opções. O colaborador recebe um valor e utiliza como preferir. 

E, afinal, a gestão de benefícios é essencial para que os talentos se sintam motivados para continuar em uma empresa. Quando o RH fornece essa ferramenta com flexibilidade, ele tem a sensação de que está sendo apoiado, respeitado e cuidado pela empresa. 

Apesar de hoje tanto se falar sobre inovações para os recursos humanos, é necessário enfatizar que os que suas atividades fundamentais ainda precisam ser exercidas. Sem elas, não só os talentos de uma empresa não serão bem desenvolvidos, como o próprio negócio em si não terá os resultados que pretende alcançar. 

 Saiba mais sobre como a Vee ajuda a compor o seu mix de benefícios flexíveis.

Gostou? Compartilhe

Como o RH pode ajudar um colaborador com depressão

Tempo de leitura: 4 min
Como o RH pode ajudar um colaborador com depressão

A depressão é uma doença que atinge 5,8% dos brasileiros, conforme dados divulgados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em 2017. Segundo informações do Harvard Business School, essa é a principal causa de incapacidade do mundo inteiro. Este é um distúrbio silencioso e as empresas precisam estar preparadas para lidar com um colaborador com depressão da melhor forma possível. A seguir você poderá conferir algumas dicas.

Como o RH pode ajudar um colaborador com depressão

Conhecimento

Essa é uma chave fundamental para que mais pessoas, e não somente a área de recursos humanos, saibam um pouco mais sobre a doença. Antes de ter que enfrentar a situação de ter um colaborador com depressão, saber sobre o tema previamente permite que você possa compreender melhor o que aquela pessoa está sentindo.

Além disso, ao entender os principais sintomas da doença, como baixa produtividade, concentração e energia da pessoas em suas atividades, você poderá pensar em como remanejar tal colaborador e até prever possíveis desempenhos que não sejam como o esperado.

Pode ser que o seu colaborador fale abertamente sobre a doença, mas pode ser também que ele prefira não compartilhar, fazendo com que você e o RH não percebam que algo vai mal. Por isso é importante se educar. Veja alguns pontos de como você pode identificar a depressão:

  • Mudanças de humor;
  • Baixa autoestima;
  • Picos de alegria/euforia;
  • Indecisão;
  • Distúrbio do apetite;
  • Dificuldade para se concentrar
  • Perda de interesse nas atividades que antes gostava.

Conversas

Colocar-se como um canal aberto para que o seu colaborador possa se abrir pode ser bastante benéfico para ele, que saberá que tem alguém apoiando. Assim, em momentos difíceis já existirá um canal de confiança. Além disso, não menospreze nem relativize os sentimentos que ele levantar para você, demonstre compreensão.

Também é importante ressaltar a importância de se respeitar o espaço e características de cada pessoa, para que ela não se sinta invadida de alguma forma quando o assunto for abordado..

Flexibilidade

É muito comum que alguém que um colaborador com depressão, assim como qualquer pessoa que enfrente essa doença, tenha distúrbios do sono, como o excesso dele ou dificuldade em dormir. Para isso, a sua empresa pode oferecer uma flexibilidade nos dias e horários para a equipe.

A prática do Home Office também pode ser uma opção. Uma boa maneira de organizar com um colaborador como será feita essa rotina, de forma que seja bom para as duas partes, é estabelecendo quais são os dias e horários essenciais para que ele esteja no escritório. Isso também pode ajudá-lo, determinando quais são as demandas necessárias e uma estrutura a ser seguida, o que muitas vezes é uma dificuldade para a pessoa com depressão.

Ainda que seu colaborador possa estar mais ausente fisicamente, enquanto ele estiver a distância não deixe de manter uma proximidade. Quando pessoas com depressão ficam sozinhas, a carga de pensamentos negativos tendem a aumentar e, por isso, interações sociais podem ajudar.

Realização de pequenas tarefas

Para funcionários com depressão, pode parecer bastante desafiador encarar um grande projeto. Isso porque, além dos problemas com a falta de sono, a parte cognitiva está alterada. Um gestor pode, para ajudá-lo, propor atividades menores, que possam ser cumpridas a curto prazo.

Outro ponto importante também é reconhecer o trabalho realizado pelo colaborador. Isso fará com que ele se sinta mais confiante em desempenhar suas tarefas.

Estabeleça prazos conforme a necessidade

Compartilhar muitos prazos de uma vez para alguém que tenha depressão pode transmitir uma sensação negativa, de estresse e impossibilidade de fazer o que está sendo demandado. Por isso, uma das formas de ajudar é dividir um projeto em tarefas menores, um prazo por vez.

Os prazos mais curtos fazem com que o colaborador que tem depressão visualize tal atividade como algo que está sob seu controle e, portanto, mais simples de ser realizada.

Reconhecimento

Colaboradores com depressão tendem a ser inseguros em relação ao seu próprio trabalho, além de serem muito autocríticos. É importante que um gestor reconheça as pequenas conquistas deste colaborador, desde entrega nos prazos determinados, até sobre as atividades em si, focando menos nos aspectos negativos. Eles só farão com que esta pessoa se sinta mais para baixo e com falta de confiança.

Faça uma avaliação de quais são as melhores habilidades deste colaborador e incentive funções que estejam alinhadas com elas. Além disso, é importante frequentemente fazer reuniões e alinhamentos para se certificar de que tudo está sendo feito de acordo com o que foi pedido.

Ambiente do trabalho

O ambiente de trabalho pode ser uma grande influência para questões emocionais. Um bom exemplo disso é a Síndrome de Burnout, que, resumidamente, é um esgotamento da pessoa em relação a sua mente e o seu corpo. Isso tem a ver com pressões, competitividade, sobrecarga, entre outros fatores de estresse que uma empresa pode acabar proporcionando. Inclusive, isso pode ser um fator para que a sua empresa tenha uma grande rotatividade de funcionários.

Para que exista uma espécie de prevenção para esse transtorno, é importante prezar por um ambiente que tenha uma boa saúde organizacional, com uma qualidade de vida e uma área de recursos humanos atenta a cada um e que visa por funcionários felizes.

Empatia do líder

Conviver com colaboradores que têm depressão pode ser bastante difícil e desafiador para um líder. Entretanto, é importante lembrar que o problema deste funcionário não está relacionado a você ou à sua gestão e sim à doença. Por isso, cabe a você ajudá-lo a passar por períodos de crise, de maneira que o seu papel também impacta positivamente nas outras pessoas da sua equipe, da empresa e do negócio.

Além disso, oferecer um local ou uma ferramenta que possa servir de apoio para este profissional demonstra cuidado e atenção que ele precisa. Com a Vee Benefícios, os colaboradores têm condições especiais de acesso ao Zenklub, uma plataforma de serviços de saúde emocional e desenvolvimento pessoal e profissional com consultas por vídeo-chamada de profissionais de diversos campos, como coaches, psicólogos e psicanalistas.

Os Benefícios Flexíveis são uma ferramenta que permite que cada um escolha o que pretende fazer com o valor recebido a partir de suas preferências, necessidades ou estilo de vida. Inclusive cuidar da saúde emocional.

Saiba mais do porquê a Vee é a sua melhor opção para oferecer benefícios flexíveis!

Gostou? Compartilhe

O RH precisa agir mais como Marketing para a atração de novos talentos

Tempo de leitura: 3 min
O RH agindo como marketing integra as duas áreas da empresa e pode trazer bons resultados.

O marketing de uma empresa sabe da importância que o setor de recursos humanos tem ao desenvolver as habilidades dos colaboradores de forma que isso tenha impacto no negócio. Por outro lado, o RH também poderia usar muitos conhecimentos que a área de marketing tem para desempenhar e otimizar suas funções.

Esse conhecimento entre áreas não está somente ligado a dados, é muito mais que isso. Para ajudar na atração e retenção de talentos, veja a seguir algumas dicas ligadas a marketing que o setor de RH pode usar:

O que o RH pode aprender com o marketing

  1. Competição por talentos
  2. Humanização
  3. Colaboradores representando a empresa
  4. Propaganda
  5. Cultura
  6. Criatividade
  7. Estratégia

A atração de novos talentos envolve competição com outras empresas também interessadas neles e está muito ligada à competição por clientes com outras marcas. O LinkedIn, por exemplo, é uma plataforma bastante utilizada no mercado profissional e pode ser uma ferramenta interessante para captar novas pessoas para o seu time. Mas, para isso, a imagem do RH nessa rede, ou em qualquer outro local em que estiver, deve ser atrativa, vendendo o que o negócio tem de melhor e mostrando porque aquele talento vai querer trabalhar na sua empresa.

Ainda sobre esse ponto, é bastante relevante que o RH saiba mapear quem são os potenciais candidatos que gostariam de contratar e que tenham a ver com o perfil buscado. Assim será mais fácil visualizar com quem a sua empresa deve interagir e, posteriormente, convidar para um processo seletivo.

Qualquer empresa que utilize plataformas para representar sua imagem deve saber que, por trás disso, é preciso haver um lado humanizado, por meio do qual qual as pessoas possam enxergar o seu negócio como algo real e atrativo. 

Uma das formas de aproximar as pessoas de fora da empresa para atraí-las, é mostrar a rotina de um dia de trabalho e apresentar, de formas informais, como é aquele ambiente.

Criação de conteúdo

O termo “vestir a camisa” da empresa tem tudo a ver com esse tópico. Colaboradores que acreditam na cultura da empresa e demonstram que sentem orgulho de trabalhar ali agregam muito valor à construção de uma imagem positiva, de um lugar que tem uma boa saúde organizacional, bons propósitos e é atrativo para trabalhar. Ou seja, investir em ações relevantes para os próprios colaboradores também é uma forma do RH aproveitar para captação de novos talentos.

Afinal de contas, se o marketing utiliza conteúdo para atrair novos cliente, a área de recursos humanos também deve usá-lo para os novos talentos. Ainda que essas propagandas e publicidades sejam pagas, é importante se mostrar relevante para certos perfis de pessoas selecionadas para fazer com que elas se enxerguem se sentindo realizadas trabalhando na sua empresa.

Para que os itens acima sejam executados da melhor forma, é importante que a cultura da empresa esteja bem clara. O marketing é a melhor área para ajudar com isso e, junto do RH, pensar em como construir uma identidade para a empresa.

Além disso, a missão, visão e valores devem estar aparentes não só para o público interno do negócio, mas como também para o externo. Para que isso aconteça de forma mais orgânica, os colaboradores precisam se sentir engajados. Assim, a imagem passada é mais verdadeira para todos que estiverem sendo impactados, fazendo com que eles descubram que têm o mesmo propósito que a sua empresa. Em live que a Vee fez, o conselheiro Eduardo Guerreiro falou bastante sobre a cultura da empresa.

Destacar-se é essencial

Ser um diferencial no mercado é necessário e o marketing sabe mais do que ninguém da importância da criatividade para ganhar destaque. Por isso, pensar em novas maneiras para chamar a atenção, diferentes dinâmicas de processo ou de posicionamento podem ajudar muito para atrair talentos a sua empresa.

No âmbito de marketing, quando um cliente vai procurar por um produto ou serviço, ele também os compara com os demais. Para isso, cada marca deve deixar claro quais são seus pontos mais fortes e porque ela deve ser a escolhida. Para o RH, isso deve funcionar da mesma maneira. Um talento, ao olhar para a sua empresa, deve saber quais são as vantagens que ela oferece, tais como salário, cultura e benefícios.

Você sabia que, segundo pesquisa da Glassdoor, 80% das pessoas preferem ter mais benefícios do que aumento de salário? Isso porque, entre outros fatores, quando uma empresa oferece um pacote com diversos cuidados para diferentes âmbitos da vida de um colaborador, na verdade, o salário acaba sendo muito mais potencializado. Ainda assim, o RH tem bastante dificuldade em escolher quais desses benefícios serão oferecidos pela empresa, já que é preciso lidar com um time de pessoas diferentes, com vários gostos, preferências e estilos de vida. Por isso, a inovação desse mercado são os benefícios flexíveis.

Com eles, o seu colaborador tem a liberdade de escolher como e onde usar seus benefícios. A Vee oferece uma plataforma com cuidados para a saúde emocional, academias, clube de descontos, entre muitos outros.

Saiba mais como ajudamos a sua empresa a compor um mix de benefícios!

Gostou? Compartilhe

O que a sua empresa precisa saber sobre os Millennials

Tempo de leitura: 4 min
Quem são os millennials e o que as empresas precisam saber sobre a geração Y para mantê-la motivada no ambiente de trabalho. Entre os aspectos: flexibilidade e diversidade.

Você sabe quem são os millennials? Muito mais do que apenas integrantes da Geração Y, nascida entre 1980 e o início dos Anos 2000, eles são os jovens adultos que entraram ao mundo em tempos digitais e chegam ao ambiente de trabalho com outros propósitos. Ou talvez nem tanto, mas as empresas os veem como uma grande incógnita e têm dificuldade de decifrar suas vontades e expectativas, dificultando a atração e retenção destes talentos. Por isso, confira o post de hoje para entender melhor sobre o assunto.

O que os millennials querem?

É mais fácil do que você imagina. Para muitas empresas, essa pergunta parece ser quase impossível de ser respondida. Afinal elas acreditam que millennials não se mantém em nenhum local de trabalho e estão sempre em busca de novos empregos. Sendo assim, não haveria soluções para criar algo que os fizessem crer que vale a pena permanecer exatamente onde eles estão atuando no momento. Mas ainda bem que, a partir de dados e pesquisas, podemos quebrar alguns estereótipos.

Em estudo realizado pela CNBC em 2015, descobriu-se que 87% dos millennials estão satisfeitos com o treinamento e desenvolvimento de habilidades que recebem no trabalho. Quando comparado ao restante da população, esse percentual representa 76%. Nessa mesma pesquisa, averiguou-se que as preferências de outras gerações e dos millennials em uma empresa são praticamente as mesmas. Por exemplo, o equilíbrio entre a vida pessoal e profissional representa 18% de importância para os eles, enquanto, para o restante, 19%.

Apesar dessas estatísticas quebrarem certos conceitos, a Harvard Business Review fez uma pesquisa em 2016 na qual os millennials correspondiam a 21% dos colaboradores que haviam deixado seus trabalhos para fazer alguma outra coisa. O número é três vezes maior que o de outras gerações. Porém, não há uma resposta nem dados que relatam para onde esses millennials foram.

Mas então, como manter a Geração do Milênio dentro da minha empresa?

Aqui vão alguns pontos:

  1. Clima Organizacional
  2. Tecnologia
  3. Qualidade de vida
  4. Benefícios Flexíveis

Uma geração mais questionadora e que vai atrás de seus interesses, ela também busca um local de trabalho que tenha a ver com os seus ideais. Por isso, mais do que um salário, eles buscam um ambiente engajador, que os faça sentir parte da cultura da empresa, onde eles tenham um senso de pertencimento e possam ter voz para expor suas ideias. Mas, aqui vai uma outra notícia: em pesquisa da Gallup Pull de 2015, constatou que apenas 28,9% dos millennials diziam se sentir engajados em seu trabalho.

Por isso, proporcionar feedbacks regulares e uma avaliação de desempenho sobre sua performance pode ser interessante e satisfatório para essa geração. Isso faz com que também seja possível entender quais são as expectativas deles em relação ao trabalho e, assim, poder alinhar uma boa gestão para reter estes talentos em sua empresa.

Outro ponto importante aqui é a saúde organizacional. Afinal, isso interfere diretamente no ambiente de trabalho e no modo como esse grupo enxerga a empresa. Essa geração está interessada em um senso de comunidade, em boas relações e, inclusive, trabalhos sociais ou que, de alguma forma, causem impactos positivos na vida de seu cliente.

Ter crescido em um ambiente tecnológico é um fator que deve estar presente em todos os aspectos que estão em torno da vida dos millennials. Isso inclui o trabalho. Para isso, proporcionar ferramentas tecnológicas que eles possam usar para desenvolver suas atividades pode ser muito bem visto e melhor aproveitada nas mãos desta geração. Essa contribuição caminha em uma via de mão dupla, pois a Geração Y tem experiências que podem agregar no crescimento e desenvolvimento das empresas. Além disso, envolvê-los em cursos onlines pode ser interessante e satisfatório para eles.

Claro que a qualidade de vida é um aspecto que todos os colaboradores desejam. Para um millennial, porém, existem algumas demandas que podem ser flexibilizadas pelas empresas. Um exemplo disso são horários flexíveis e o Home Office. Se suas atividades podem ser feitas em períodos não específicos e à distância, então por que não proporcionar isso a eles?

Além disso, a qualidade de vida está relacionada com um equilíbrio saudável das demandas do trabalho com outras necessidades da vida de um millennial. Isso tem a ver com a saúde emocional, atividades físicas, eventos pessoais, entre outros.

Uma forma de proporcionar uma boa qualidade de vida é oferecendo Benefícios Flexíveis. Um millennial certamente terá diferentes gostos e interesses que o restante dos colaboradores de uma empresa pertencentes a outra geração. Ao oferecer benefícios de forma flexível, você permite que ele próprio decida com o que é mais conveniente usar o dinheiro e como gerenciar o valor recebido. Além disso, essa ferramenta é um demonstrativo de que cada pessoa dentro do seu negócio é única e tem a liberdade para ser como quiser, contribuindo com o seu melhor e sua produtividade.

A Vee pode ajudar a sua empresa a compor um mix de benefícios para os seus colaboradores. Por mais simples que pareça, escolher como usar o Vale Refeição e o Vale Alimentação pode ser um bom fator de decisão na hora de aceitar a proposta nova de trabalho.

Os setores de RH também podem desenvolver os millennials dentro das empresas, envolvendo eles em novos desafios. Dessa mesma forma funciona a atração de novos talentos dessa geração. A transparência e demonstrar o tipo de experiência que a sua empresa pode proporcionar a eles em diferentes aspectos da vida, não só profissional, são os pontos chave para fazer com que eles se sintam mais interessados no trabalho do que no próprio salário em si.

Vale ressaltar que cada geração tem seus próprios propósitos em um ambiente de trabalho, mas todas elas estão juntas produzindo para uma mesma causa na qual acreditam dentro da empresa. Por isso, a diversidade dentro de um negócio é essencial: ela quebra preconceitos, expande as ideias e cresce sob diferentes olhares de cada colaborador.

Gostou? Compartilhe

Como desenvolver a cultura e a liderança na sua empresa

Tempo de leitura: 5 min
Como desenvolver a cultura e a liderança na sua empresa

A cultura de uma empresa está diretamente ligada ao desempenho que um negócio tem. Afinal de contas, quem move todas as atividades e está dentro de onde tudo acontece são os colaboradores. Estes precisam se sentir engajados e motivados pelo local em que exercem suas funções, assim também como seus clientes, que querem manter uma relação com um local que tenha propósitos claros.

Quem reforça a cultura de uma empresa são os líderes. Eles devem saber da importância do seu papel diante de talentos mais juniores da empresa, que ainda estão conhecendo o ambiente, e dos demais colaboradores. Algumas atitudes podem ser, inclusive, grandes incentivos para a retenção de talentos na empresa. Veja alguns pontos importantes:

Mentoria para talentos júnior

Apesar de diversas empresas colocarem toda a sua confiança em programas de mentoria para que tal talento de seu negócio se desenvolva, é preciso focar também na cultura do local. Se um ambiente de trabalho promove aspectos de competitividade, de “cada um por si”, isso fará com que os seus colaboradores não se sintam engajados e motivados a permanecer, gerando uma maior rotatividade de funcionários, o que não é bom para nenhum dos lados.

Assim, um local em que a cultura da empresa está bem clara e é praticada pelas pessoas que trabalham no mesmo ambiente, principalmente sendo exercida pela imagem do líder, é um grande incentivo para o crescimento e dedicação dos colaboradores em suas funções dentro do negócio.

Confiança

Uma das coisas que a mentoria trabalha é em relação a autoconfiança das pessoas. Encontrar oportunidades para elogiar as entregas e atividades desempenhadas por alguém da sua equipe pode ser uma grande contribuição para este profissional. Também convém trocar algumas palavras, perguntar sobre ambições para o futuro. Isso fará com que estes jovens talentos se sintam acolhidos pela empresa e queiram interagir mais, dando o melhor de si em suas funções.

Essas trocas de experiência no ambiente de trabalho promovem relações profissionais mais fortes, trazendo uma sensação de pertencimento à equipe e felicidade.

Quem promove a cultura

Esses mentores “informais” seriam os líderes cujo objetivo é reforçar os propósitos da empresa. É importante ter um fortalecimento de pessoas que acreditam no mesmo ideal e, assim, também se sintam incentivadas para promover melhores relações com toda a equipe de um negócio. Isso cria colaboradores mais comprometidos com o trabalho.

Interações feitas de formas descontraídas permitem que qualquer colaborador, de qualquer área, seja impactado e constrói uma imagem positiva do líder.

Como fazer na prática?

Elogios

Quando você vir o trabalho de algum desses talentos juniores da empresa, elogie! Faça isso na frente de outras pessoas e valorize o que foi feito. Assim, a sensação de pertencimento dele será melhor e ele ficará mais satisfeito em continuar desempenhando um papel esforçado.

Feedbacks

Este ponto é importante não só para você fornecer os feedbacks a um profissional sobre o desempenho dele, mas como também para que você saiba em quais aspectos você também pode melhorar. Receba bem as críticas, com um canal aberto para novos aprendizados.

Lembre-se: elogios em público e críticas e feedbacks em particular.

Escute

Pergunte aos seus colaboradores qual a opinião deles sobre determinado projeto, dê voz para que eles participem e sintam a importância de suas considerações sobre determinado assunto.

Questione o que esperam da empresa e quais são suas aspirações para o futuro. Você pode ajudar as pessoas a desenvolverem melhor os seus planos dentro da empresa, para que eles se sinta realizado em seu local de trabalho.

Transparência

Seja transparente em relação ao que você está fazendo, o que você pretende alcançar com tais ações que o seu negócio está fazendo, entre outros. Enfim, aqui vale uma troca para compartilhar sobre os projetos que estão sendo construídos para que todos estejam alinhados e, dessa forma, você também possa receber novas visões e ideias que possam ser relevantes a empresa.

Avaliações

Promova avaliações em anônimo para saber o que os seus colaboradores pensam sobre os líderes e sobre a cultura da empresa. Dessa maneira, você poderá saber se os objetivos estão sendo alcançados ou o que pode ser feito para melhorar.

A mudança da cultura da empresa

Conforme o tempo passa, as estratégias mudam e a empresa cresce. Logo, a cultura muda também. Afinal, é necessário ter novos objetivos e propósitos para poder alcançar novas metas. E antes mesmo de pensar como fazer para mudar a cultura, é preciso entender quem está no controle delas. Você sabe dizer?

A responsabilidade geralmente é colocada nas mãos do RH. Isso porque, com tantas demandas que os líderes têm, acaba não sendo prioridade para muitos deles cuidar disso. Mas projetos assim precisam ser meta de todos.

Uma mudança de cultura acontece quando ela consegue fazer uma transformação organizacional por inteiro. Ou seja, todos se sentem impactados por essa mudança e, assim, a forma de fazer suas atividades do dia a dia e prioridades de cada um também mudam. Então, para que isso aconteça, essa transformação deve ser levada a sério por todos e vista como um fator influente de importância para os líderes do negócio, pois são eles quem irão colocar em prática o plano.

Veja como a área de recursos humanos pode ajudar na mudança de cultura da empresa:

Pesquisa: uma das coisas que demanda bastante tempo para planejar essa mudança de cultura organizacional é entender como é o cenário atual do local, tais como os valores , políticas e comportamentos, e como ele será transformado. Para isso, o RH pode ajudar os líderes fazendo uma análise geral e apresentando a eles como é vista a cultura da empresa atualmente e seus principais aspectos positivos e negativos

Mudança: muitos líderes podem não estar convencidos de que é possível implementar uma mudança na cultura. Isso porque alguns negócios só a fizeram em situações em que as empresas estavam em crise e, por isso, precisaram alterar a organização forçadamente. Mas, se o RH apresentar como uma nova cultura organizacional forte pode ser benéfica para todos da equipe e para o próprio negócio, isso fará com que as pessoas ampliem seus pensamentos e se sintam motivadas a participar do projeto.

Ensinamentos: pode ser que os líderes da sua empresa já tenham feito antes mudanças na cultura de alguma outra organização, mas também pode ser também que eles sejam totalmente inexperientes nisso. Por isso, o RH pode guiá-los, certificando-se de que eles têm habilidades para que essa alteração comece a ser colocada em prática.

Prática: entregue o projeto nas mãos dos líderes e deixe claro que quem colocará em prática também serão eles. Afinal, a área de recursos humanos é quem vai ajudar e dar o apoio necessário, mas não cabe somente a eles implementar essas mudanças sozinhos. Esse deve ser o papel de toda a liderança da empresa.

Por fim, é válido ressaltar que uma empresa não só pode mudar a sua cultura, como muitas vezes deve, pois isso interfere em diferentes aspectos de um negócio, inclusive em sua saúde organizacional. O departamento de RH é uma área que ajuda de frente nessa colaboração, mas os líderes devem ter em mente que é de responsabilidade deles garantir que está tudo sendo colocado em prática.

E a Vee pode ajudar com tudo isso! Entre em contato com a gente para saber como!

Gostou? Compartilhe