Como aplicar pesquisa de satisfação com seus colaboradores

Tempo de leitura: 5 min
como aplicar uma pesquisa de satisfação em seus colaboradores

Os estudos acadêmicos já confirmaram o que um RH, por experiência própria, sempre soube: uma equipe feliz é mais produtiva. Os esforços para garantir o bem-estar dos colaboradores, portanto, estão mais do que justificados — e a melhor forma de assegurar os benefícios de um ambiente saudável e criativo é aplicar uma pesquisa de satisfação de funcionários.

Uma das missões do departamento de Recursos Humanos é manter a motivação e o engajamento dos profissionais contratados, garantindo que as entregas estejam sempre alinhadas às metas da companhia, certo? A boa notícia é que essa tarefa se torna mais simples, orgânica e acertada quando a equipe mantém o entusiasmo e permanece satisfeita.

Neste post, você entenderá um pouco mais sobre o papel da pesquisa de satisfação na estratégia de qualquer empresa — independentemente do porte ou do segmento em que atue.

Primeiro, destacamos a importância de medir o nível de contentamento do público interno para, em seguida, ensinarmos como acompanhar esses índices da melhor forma possível.

Ainda está em dúvida se a pesquisa de satisfação é o recurso que você está procurando? Não deixe de ler o conteúdo até o final e, além de esclarecer seus questionamentos, fique por dentro das principais dicas para aplicar os questionários — inclusive em esquema de trabalho remoto.

Boa leitura e bons insights!

Por que é importante medir a satisfação dos funcionários?

O objetivo de qualquer organização é gerar lucro. Enganam-se, porém, aqueles que pensam que a satisfação dos colaboradores não tem nada a ver com isso: de acordo com um levantamento produzido nos Estados Unidos, uma equipe feliz vende até 37% mais. No fim do dia, isso certamente significa um fluxo de caixa bem mais positivo, né?

Ainda que a felicidade seja um conceito subjetivo, há existem maneiras eficazes de identificá-la e de medi-la, construindo cenários de melhoria sempre que for necessário. No contexto corporativo e na linguagem da área de RH, funcionários felizes são aqueles que entregam mais — e por mais tempo.

Quando há insatisfação no trabalho, é comum que o turnover seja alto, que o controle absenteísmo exija atenção redobrada e, principalmente no caso de fábricas, que os acidentes de trabalho se tornem um acontecimento corriqueiro. Todos esses fatores são negativos (e mesmo perigosos) e acabam por ter impacto direto no resultado da empresa. 

Por outro lado, um ambiente leve e saudável faz os olhos do time brilharem. Os profissionais tendem a ser mais criativos e comprometidos com a excelência na execução de suas tarefas, uma vez que reconhecem e retribuem os esforços da companhia para mantê-los satisfeitos.

A produtividade é, portanto, um efeito colateral muito bem-vindo e geralmente reflete um conjunto de boas práticas internas. A comunicação transparente, o reconhecimento estruturado e o oferecimento de benefícios atrativos, por exemplo, podem ser apontados como alguns dos critérios que contribuem para manter o público interno mais satisfeito.

Por que a pesquisa de satisfação é a abordagem ideal?

De forma geral, a pesquisa de satisfação é um instrumento estratégico. Fácil de construir e de aplicar, esse tipo de recurso reúne duas características importantes: se, por um lado, não exige investimentos volumosos em sua concepção; por outro, produz insights capazes de maximizar os resultados do negócio no curto, no médio e no longo prazo.

A pesquisa de satisfação pode ser descrita como um esforço deliberado para colher dados (quantitativos e qualitativos) de uma fonte preciosa: o seu quadro de colaboradores. Alguns dos principais objetivos da iniciativa são:

  • detectar expectativas internas;
  • qualificar o clima organizacional;
  • avaliar a aderência de políticas e práticas internas (incluindo o plano de carreira e os benefícios ofertados, por exemplo).

Uma vez finalizada, a pesquisa entrega aos líderes da companhia um incrível volume de dados. Os números — e os comentários, sempre que uma resposta mais extensa for solicitada — permitem que os gestores conheçam o sentimento geral e, frente a isso, identifiquem pontos fortes e vulnerabilidades.

A comunicação entre departamentos apareceu como um ponto sensível? Aja rápido e crie novas táticas para melhorar a integração dos canais internos. A carteira de benefícios foi apontada como um item que deixa a desejar? Talvez seja a hora de repensar a abrangência e/ou a flexibilidade dessa política, solucionando eventuais descontentamentos. 

A pesquisa de satisfação de funcionários pode ser um importante catalisador de mudanças positivas. Se seu intuito é aumentar a retenção e alavancar a produtividade da equipe, vale considerar a aplicação de um questionário bem estruturado. 

Como aplicar medir os índices internos de satisfação?

Agora que você já está convencido a respeito da importância de contar com funcionários satisfeitos e sabe por que a pesquisa de satisfação é a estratégia perfeita, é hora de agregar um pouco mais de prática à discussão, certo? 

O próximo passo é entender como, de fato, aplicar um questionário coeso e alinhados às suas expectativas. Confira as principais dicas!

Escolha o melhor método

Para que seja confiável e transparente, toda pesquisa deve ser precedida de um bom trabalho metodológico. É necessário fixar a abordagem, selecionar os instrumentos de avaliação e programar o tratamento estatístico, por exemplo. 

Você quer priorizar análises rápidas, estipulando porcentagens de satisfação? Perguntas quantitativas ajudam você a obter esse tipo de insights. Se, por outro lado, a meta estiver relacionada a um conhecimento aprofundado sobre determinado assunto (clima organizacional ou percepção de benefícios, para citar apenas alguns fatores), o questionário qualitativo pode ser a melhor opção. 

Formule as questões pertinentes

Ninguém gosta de responder uma pesquisa que tem dezenas de páginas — caso o questionário seja muito longo, é provável que o colaborador se mostre contrariado antes mesmo de participar. Foque na coerência das perguntas e seja sempre objetivo, combinado?

Além disso, as questões devem ser absolutamente claras, evitando interpretações equivocadas. Afinal, caso o funcionário não entenda o propósito da pergunta, as chances de inserir uma resposta confusa (e distante da realidade) são enormes — isso, é claro, prejudica suas análises finais.

Comunique os funcionários

É importante que todos os pormenores estejam cientes da aplicação da pesquisa de satisfação. O objetivo, bem como as políticas de privacidade, devem ser explicadas em detalhes. Lembre-se de que qualquer mal-entendido pode comprometer a participação do time e inviabilizar os resultados.

Seja muito transparente e informe, por exemplo, a data de aplicação, a metodologia de coleta de dados, a previsão para divulgação de resultados e o objetivo do levantamento. Compartilhe com a equipe o desejo de promover a melhoria contínua com base nas demandas internas.

Além de incentivar as respostas, uma postura aberta inspira confiança e gera motivação — tudo o que você precisa para um levantamento de sucesso, né?

Tabule e analise os resultados

Uma vez aplicada, a pesquisa tem seu momento mais glorioso: é preciso examinar as respostas e compilar as informações, extraindo insights preciosos ao desenvolvimento íntegro da companhia. Resgate a metodologia inicial e garanta que questões diferentes — em se tratado de perguntas quantitativas e qualitativas, principalmente — sejam tratadas de modo distinto.

Depois disso, a pesquisa deve ser a base para um plano de mudanças. A dica é: elenque os pontos mais sensíveis e elabore estratégias para promover melhorias, estimulando a satisfação dos funcionários de forma sinérgica e efetiva.

Vale lembrar, ainda, que a realidade do mercado vem mudando. A pandemia de coronavírus, por exemplo, acelerou a adaptação ao trabalho remoto — e obrigou os profissionais de RH a reinventar estratégias de engajamento e produtividade.

A boa notícia é que, em tempos de trabalho à distância, a pesquisa de satisfação de funcionários também faz todo o sentido no home office. É, aliás, mais importante do que nunca: enquanto gestor de pessoas, você precisa garantir que seu time permaneça motivado. Para assegurar a eficácia do método e a pertinência das respostas, certifique-se de seguir o passo a passo à risca.

O conteúdo foi útil e ajudou você a fortalecer a estratégia interna da sua empresa? Ótimo! Novos conteúdos sobre os desafios gerenciais são lançados toda a semana e você pode nos seguir no Facebook, no LinkedIn, no Instagram e no YouTube para ficar sempre por dentro das novidades. Até breve!

Gostou? Compartilhe

Quer conhecer mais sobre os benefícios flexíveis da Vee? Preencha o formulário e entraremos em contato com você.