Ergonomia no home office: qual a importância e como ajudar o colaborador

Tempo de leitura: 4 min
Ergonomia no home office

A ergonomia no home office está diretamente relacionada ao ambiente, às condições de trabalho e a postura do colaborador que exerce suas atividades em casa. Muito além de proporcionar conforto, esse cuidado aumenta a segurança, previne problemas de saúde e ainda aumenta a produtividade.

Diante das restrições impostas pela pandemia de COVID-19, muitas pessoas descobriram os desafios de ter um escritório na própria residência. Entre eles, temos a comodidade e a flexibilidade do ambiente doméstico que podem se transformar em verdadeiras armadilhas.

Além das eventuais distrações, é muito comum que o profissional se entregue a atitudes prejudiciais, como se manter em má postura, trabalhar na cama ou deixar a mesa bagunçada. Felizmente, é possível aumentar a qualidade de vida no trabalho com medidas simples, que devem ser estimuladas pelos gestores de RH, como oferecer benefícios flexíveis.

Confira as principais delas a seguir!

Construa um workspace ergonômico

Uma das maiores vantagens do home office é que você tem a oportunidade de criar um ambiente de trabalho do seu jeito, nem que seja em um cantinho apertado da casa. Locais frescos e arejados são os mais indicados, mas é possível improvisar com ventiladores ou ar-condicionado — o clima deve ser confortável para o colaborador.

Descoberto o melhor lugar disponível, os principais itens a serem considerados são:

  • decoração: o profissional é livre para criar um workspace com o seu estilo, todavia, é recomendável prezar por um ambiente clean, a fim de favorecer a sua concentração;
  • iluminação: a iluminação natural, além de gratuita, traz benefícios à saúde, mas se for necessário usar a luz elétrica, opte por lâmpadas branco frio;
  • cores: se for possível, opte por paredes e objetos com cores que estimulem o foco, como azul e verde, e evite tons muito estimulantes, como vermelho e laranja.

Além de todos esses cuidados, a ergonomia do seu workspace depende de um dos componentes mais importantes de um escritório: o assento. Contudo, de nada adianta ter uma excelente cadeira e não ter uma boa postura. É o que veremos no próximo tópico.

Mantenha uma postura adequada

Embora não tenha um texto específico, a ergonomia no home office se enquadra nas diretrizes da NR-17 — Ergonomia, a norma reguladora brasileira criada para garantir a segurança do trabalhador e aumentar sua qualidade de vida no ambiente de trabalho. Ao escolher uma cadeira, por exemplo, é importante optar por modelos aprovados pelo laudo NR-17. Outra dica é evitar materiais quentes, que aumentem a sensação de calor e estimulem a sudorese — prefira acabamentos em lycra, nylon ou algodão.

Em relação aos assentos, a norma estabelece que:

  • a altura deve estar ajustada à estatura do trabalhador e deve ser adequada ao tipo de atividade exercida;
  • o encosto deve oferecer apoio para a região lombar;
  • a borda frontal deve ser arredondada.

É importante que as costas fiquem eretas e totalmente apoiadas no encosto. Joelhos e quadris devem ficar em um ângulo de 90º. Os pés precisam encostar no chão — um apoio pode ser usado por aqueles que não o alcançam. Para uma postura ergonômica completa, são recomendados apoios para os antebraços (com altura ajustável) e para o pescoço — almofadas para a cervical também podem servir.

O topo do monitor ou do laptop deve estar alinhado horizontalmente aos olhos e a tela posicionada entre 50 a 75cm de distância — suportes são quase sempre necessários. Para evitar vista cansada, também recomenda-se inclinar a tela 10º a 20º em relação à mesa.

Ao oferecer os benefícios flexíveis da Vee e incluir a categoria ‘Auxílio home office’, o colaborador pode aproveitar esse saldo para investir em melhorias no seu escritório e, por exemplo, comprar um assento de mais qualidade em uma loja de móveis.

Faça pausas e alongamentos com frequência

Manter a concentração é fundamental, mas muitas vezes, justamente por estar demasiadamente focado no trabalho, o colaborador acaba por se manter por muitas horas na mesma posição. A questão é que, mesmo adotando uma postura ergonômica, isso pode causar lesões musculares e comprometer a circulação sanguínea.

O ideal é, no máximo, a cada 2 horas, levantar e fazer uma breve caminhada pela casa. Vale dar uma passadinha da cozinha para comer uma fruta ou beliscar um petisco, ir até a janela para respirar ar puro ou dar um alô para a família ou para o pet. Só não vale usar esse tempinho com o celular — a pausa também deve ser para os olhos e para a mente.

Em alguns desses intervalos, também é importante fazer alguns alongamentos. Esticar os braços, as pernas e as costas. Quem trabalha com digitação pode providenciar utensílios terapêuticos para exercitar o punho e as mãos. Além desses cuidados, praticar alguma atividade física regularmente é extremamente recomendável.

Conquiste privacidade e silêncio

Provavelmente, esse é um dos pontos mais delicados quando tratamos de ergonomia no home office, especialmente em tempos de pandemia. Como ter privacidade e silêncio para trabalhar em casa com obras no bairro, carros circulando na rua, cães latindo ou filhos pedindo ajuda e atenção?

É um verdadeiro desafio, mas existem alternativas. Se o colaborador reside em um local com muito barulho no seu horário de serviço, ele pode tentar encontrar um cômodo mais silencioso, usar bloqueadores de som ou ouvir sons relaxantes no fone de ouvido, para abafar os ruídos externos.

Já quem está com os filhos e outros familiares em casa, é interessante fazer um acordo com as pessoas com quem convive, estabelecendo horários nos quais não deve ser incomodado. No caso de crianças pequenas, o auxílio de outra pessoa é necessário para assegurar os cuidados básicos enquanto os pais trabalham.

O objetivo de todas essas orientações é criar um ambiente confortável, saudável e produtivo, para que profissional seja capaz de exercer suas funções sem prejuízos físicos ou psicológicos. A própria NR-17 destaca que as condições de trabalho devem estar adaptadas às características psicofisiológicas dos trabalhadores.

A negligência desses cuidados é capaz de gerar sérios problemas de saúde, como a famosa L.E.R. (Lesão por Esforço Repetitivo) que contribui para o surgimento da tendinite e da bursite. Dores recorrentes no pescoço e nas costas, cansaço visual e até alterações emocionais, como tristeza e ansiedade, são sinais que indicam pouca atenção aos cuidados de ergonomia no home office.

Este conteúdo fica por aqui, mas ainda temos muito conhecimento para compartilhar. Continue conosco e confira dicas e tendências para melhorar o rendimento no trabalho remoto!

Gostou? Compartilhe

Quer conhecer mais sobre os benefícios flexíveis da Vee? Preencha o formulário e entraremos em contato com você.