Por que trabalhar com Employee Experience é o futuro do trabalho?

Tempo de leitura: 4 min
Por que trabalhar com Employee Experience é o futuro do trabalho?

Eu aposto que você já ouviu falar em Employee Experience (EX)! O termo, que nada mais significa do que Experiência do Colaborador, está em todo lugar, principalmente se você é um profissional de RH. Apesar de ouvirmos o tempo inteiro falar sobre o tema, será que você sabe realmente do que se trata? 

Neste artigo, vamos sanar suas dúvidas de uma vez por todas, trazendo o conceito de Employee Experience, a origem do tema e te convencemos que trabalhar com EX é o futuro do trabalho. Confira! 

O que é Employee Experience? 

Como acabamos de falar, Employee Experience é o termo em inglês para Experiência do Colaborador. Na prática, o conceito engloba tudo que os colaboradores observam, sentem e pensam ao longo da sua interação e relacionamento trabalhando em uma empresa. 

Para começarmos a pensar em EX, é preciso entender que toda organização possui necessidades e desejos em relação aos seus colaboradores e os colaboradores, por sua vez, também possuem necessidades e desejos em relação à organização. Employee Experience é justamente essa intersecção entre essas duas perspectivas, como mostrado na imagem abaixo. Isto é, quanto maior a área destacada, melhor a experiência.

Apesar de Employee Experience já ser um tema que é estudado por instituições renomadas e aplicado nas maiores empresas do mundo, o termo ainda é pouco utilizado na área de Departamento Pessoal no Brasil. Vamos, agora, fazer uma viagem ao tempo, para você entender como chegamos na chamada Era da Experiência e por que ela é o futuro do trabalho. 

Era da Utilidade

Nossa viagem começa nos anos 50. Primeiro, é preciso entender que os indivíduos enxergavam o trabalho como uma forma de sustentação à família e de consumir produtos desejados. O mercado corporativo funcionava basicamente assim: as pessoas mostravam suas habilidades e as empresas selecionavam aqueles que conseguiam atender a suas demandas. 

Nesse contexto, a única preocupação das empresas era prover o que os colaboradores precisavam, ou seja, ferramentas e equipamentos para realizar o trabalho e entregar os resultados desejados. 

Era da Produtividade

Com o passar dos anos e, como consequência, o aumento da competitividade entre as empresas, a Era da Produtividade chegou. Nesse momento, a forma que as organizações funcionavam se assemelhava à linha de montagem criada por Henry Ford, conhece? 

Ou seja, o grande objetivo era otimizar a produção, isto é, alcançar mais entregas e maiores resultados no menor tempo possível, com um grande foco no curto prazo. Junto a isso, o ditado popular “tempo é dinheiro” nunca foi tanto colocado em prática, monitorando os colaboradores em cada momento do seu dia para que eles oferecessem o bem mais valioso da época: sua produtividade. Por fim, os processos exercidos pelos colaboradores eram em sua maioria repetitivos e operacionais, mostrando a presença enorme dos ideais fordistas. 

Nesse contexto, o pensamento principal do mercado de trabalho era: o que posso fazer para aumentar a produtividade dos meus colaboradores? 

Era do Engajamento

O conceito de engajamento, que é tão trabalhado nas empresas atualmente, possui sua história iniciada em 1990, através de um professor universitário chamado William Kahn. Em um momento em que empresas renomadas como a General Electric se orgulhavam de adotar práticas para maior ganho de produtividade como a demissão de 10% do quadro de funcionários anualmente, William decidiu ir por outro caminho. 

Através de um estudo acadêmico realizado por ele, foi possível comprovar que para que os colaboradores performem mais, é necessário que eles se sintam bem no local em que trabalham, ou seja, que se sintam engajados. Nesse momento, iniciou-se as ações que atualmente são consideradas tradicionais para o RH, como a pesquisa anual de clima, investimento na cultura organizacional e em remuneração variável pelos resultados. 

Apesar de ter sido um grande avanço para a época, essa forma de enxergar a Gestão de Pessoas já está ultrapassada, tendo em vista que o trabalho não é o mesmo que era há 30 anos. 

Era da Experiência

Finalmente, chegamos na Era da Experiência! Como já falamos, Employee Experiência ou Experiência do Colaborador consiste em tudo que os colaboradores observam, sentem e pensam ao longo da sua interação e relacionamento trabalhando em uma empresa. Logo, podemos concluir que todos os colaboradores já possuem sua experiência onde trabalham. A questão, nesse cenário, é: por que não fazer com que essa experiência seja a melhor possível? 

Em conclusão, a forma que os colaboradores e empresas se relacionam vem sofrendo inúmeras mudanças nas últimas décadas e a forma mais atual e adequada no momento que estamos vivendo é juntar esforços para que os colaboradores possuam a melhor experiência possível. E isso não somos nós que estamos dizendo! Quem afirma isso são as maiores empresas do mercado: Apple, Google, Facebook, LinkedIn, Airbnb; que colocam a experiência do colaborador em primeiro lugar. 

E você? Vai ficar de fora dessa? Te esperamos para iniciar a Era da Experiência, juntos! 

Sobre a Pin People

A Pin People é uma plataforma de gestão da experiência do colaborador que ajuda empresas a mensurar e melhorar, de maneira rápida e assertiva, a experiência dos seus colaboradores. Por meio da combinação de psicologia organizacional, ciência de dados e tecnologia, oferecemos uma metodologia robusta de Employee Experience orientando melhor a tomada de decisão dos líderes e gestores de RH.

Para saber mais e entender como podemos ajudar a sua empresa, acesse nosso site em https://pinpeople.com.br.

Gostou? Compartilhe

Quer conhecer mais sobre os benefícios flexíveis da Vee? Preencha o formulário e entraremos em contato com você.

Vee Benefícios é patrocinadora oficial de benefícios flexíveis do RH Summit