Pequeno dicionário do RH: 30 termos fundamentais para a gestão de pessoas

Tempo de leitura: 8 min
Dicionário para RH: termos fundamentais para gestão de pessoas

Dicionário do RH: já pensou ter, em um único lugar, as principais informações sobre a área? Seja qual for o segmento da empresa, é essencial que o profissional busque continuamente por aprendizados e possa aplicá-los no dia a dia de seu negócio.

Dessa forma, é possível ficar por dentro das tendências do mercado e, consequentemente, usufruir dos ganhos que elas trazem. Pensando nisso, elaboramos este material completo para que você conheça os termos mais importantes para a área de Recursos Humanos. Boa leitura.

1. Absenteísmo

Absenteísmo é a ausência de um profissional no trabalho, que pode ser ocasionada por faltas frequentes ou atrasos, justificados ou não. Para calcular a taxa de absenteísmo, basta encontrar as horas de abstenção no trabalho e dividi-las pela jornada de trabalho. Fique atento: caso o absenteísmo seja frequente, ele pode trazer prejuízos para a produtividade do time e para os resultados do seu negócio.

2. Acidente de trabalho

De acordo com o artigo 19 da Lei 8213/91, acidente de trabalho é aquele que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço da empresa e que provoca perturbação funcional ou lesão corporal, além de causar perda ou redução da capacidade para exercer as funções.

Existem, basicamente, três tipos de acidente de trabalho:

  • típico: quando ocorre dentro do expediente e no local de trabalho;
  • atípico: devido a uma repetição de atividades (LER, por exemplo);
  • de trajeto: no percurso da pessoa entre a casa e o local de trabalho.

3. Admissão

É o processo que formaliza a contratação de um colaborador. Para isso, é preciso que a área de Recursos Humanos oficialize diversos procedimentos que autorizem a prestação de serviços — seja por pessoa física, seja por pessoa jurídica.

4. Benchmarking

Benchmarking vem da palavra benchmark, que significa referência. Como o próprio nome já diz, é uma estratégia adotada pelas organizações que possibilita a análise detalhada sobre as melhores práticas utilizadas por empresas do mesmo ramo de atuação.

5. Benefícios

Benefícios são algumas das medidas que as empresas podem adotar em complemento ao salário do profissional. Podem ser obrigatórios — quando são lavrados na CLT — ou flexíveis, quando a organização oferece benefícios para que os colaboradores se sintam mais engajados e motivados ao exercerem suas atividades.

6. Benefícios flexíveis

Conforme mencionado acima, benefícios flexíveis são uma forma de garantir um ambiente de trabalho mais agradável e, consequentemente, de aumentar a satisfação das pessoas em um negócio.

Enquanto os obrigatórios se referem a férias, décimo terceiro e outros pontos contidos na CLT, os benefícios flexíveis podem ser entendidos como:

  • flexibilidade na escolha dos benefícios de diferentes categorias;
  • Liberdade para escolher o uso entre o vale alimentação e refeição;
  • auxílio-terapia;
  • horários flexíveis;
  • entre outros.

O ideal é que sua empresa conheça o perfil dos profissionais para que possa oferecer aqueles benefícios que melhor se encaixam em sua realidade.

7. Clima organizacional

Clima organizacional é a percepção que os colaboradores têm em relação às políticas e práticas da empresa. Para identificar se está positiva ou negativa, é necessário aplicar a Pesquisa de Clima — que avalia como é essa percepção sobre os mais diversos pontos da organização (gestão de benefícios, remuneração, trabalho em equipe, contato com a liderança, entre outros).

Apesar de o resultado da pesquisa servir apenas como um diagnóstico, a área de RH pode traçar estratégias com base nessa análise, contribuindo para uma maior retenção de talentos.

8. Coaching

O coaching é uma metodologia cujo objetivo é trazer resultados efetivos em qualquer contexto, seja pessoal ou profissional. Para isso, utiliza técnicas e conhecimentos de diversas ciências, como administração, neurociência, psicologia, recursos humanos, planejamento estratégico e muito mais.

9. Cultura organizacional

Cultura organizacional é a forma como as pessoas se comportam em uma empresa — de acordo com seus valores, artefatos, rituais, exemplos, incentivos e histórias. Essencial para construir equipes que tenham senso de pertencimento, a cultura organizacional deve ser levada em consideração em diferentes momentos da empresa, desde a contratação de profissionais até o modo como as pessoas se comportam no dia a dia.

10. Downsizing

Em sua tradução direta, downsizing significa achatamento. Trata-se de uma técnica para eliminar processos desnecessários que prejudicam o andamento das atividades de uma empresa. Nesse sentido, a estratégia contribui para que a organização seja mais eficiente e enxuta, por meio do alinhamento do planejamento estratégico com seus objetivos e metas gerais.

11. Employee experience

A experiência do colaborador, ou employee experience, trata-se da soma das percepções e dos sentimentos que os profissionais de seu negócio vivenciam — a partir das interações com a empresa. Podemos entender, portanto, que employee experience é o resultado de toda a jornada do colaborador, desde o primeiro contato com o negócio (logo no período do processo seletivo) até o seu desligamento.

12. Employer branding

Employer branding pode ser entendido como um conjunto de ações entre os profissionais de seu negócio, com o propósito de trazer maior engajamento e bem-estar — sem contar a contribuição que a estratégia oferece para a retenção dos principais talentos. Ou seja, o employer branding gera um diferencial competitivo para a empresa e possibilita que as pessoas se tornem propagadoras da cultura e dos objetivos organizacionais.

13. Endomarketing

Trata-se de ações desenvolvidas pela empresa com foco no público interno. Seu principal objetivo é melhorar a imagem da organização entre os colaboradores — e, com isso, ajudar a ampliar a motivação da equipe e reduzir a taxa de turnover.

Desenvolver ações de endomarketing contribui para que os profissionais enxerguem o negócio de forma mais humana, o que proporciona uma busca constante por melhorias em seu desenvolvimento próprio.

14. Engajamento

Engajamento é a relação de uma ou mais pessoas com uma causa. Nas empresas, significa o laço afetivo entre os profissionais e a organização — isto é, quando os colaboradores se identificam com os propósitos do negócio e oferecem o seu melhor para que o empreendimento possa se desenvolver. O engajamento nas empresas faz com que os profissionais sejam mais produtivos e traz mais bem-estar e qualidade de vida no trabalho.

15. Feedback

Feedback é a estratégia na qual uma pessoa apresenta suas percepções em relação ao trabalho de colegas ou líderes e liderados — tanto positiva como negativamente. Dessa forma, as equipes conseguem ter uma melhor orientação quanto às suas tarefas, além de estarem continuamente alinhadas com o objetivo da empresa.

16. Folha de pagamento

Esse é um documento que contém as principais informações relacionadas à remuneração do colaborador. De acordo com os artigos 464 e 225 do Decreto 3048/1999, a folha de pagamento é uma obrigatoriedade para as empresas.

Como não há um modelo oficial desse documento, ele pode ser elaborado de acordo com as particularidades de cada negócio. No entanto, é preciso que contenha todas as informações legais previstas, de modo que cumpra suas funções contábeis, fiscais e operacionais.

17. Headhunter

De forma literal, headhunter significa “caçador de cabeças”. Como podemos deduzir pelo nome, trata-se de uma estratégia na qual o profissional de RH sai em busca dos melhores profissionais (ou “cabeças”) para a empresa, de forma que alie as necessidades do negócio com as qualificações daquela pessoa.

18. Home office

Traduzido, home office tem o sentido de escritório em casa — ou seja, quando o profissional trabalha diretamente de sua residência, com uma estrutura própria para isso. Esse modelo ganhou muita relevância em 2020, quando empresas dos mais diversos setores precisaram adaptar suas rotinas como forma de contenção da pandemia de Covid-19.

19. Jornada do colaborador

Como o próprio nome diz, a jornada do colaborador se refere a todas as etapas de experiência do profissional com a sua empresa. Aqui, é preciso considerar desde as entrevistas para a admissão até a contratação, o desenvolvimento e, por fim, o desligamento. Para o mapeamento eficaz da jornada do colaborador, alguns marcos importantes podem ser considerados: admissão, processo de onboarding, treinamentos e promoções.

20. KPI

KPI é a sigla de Key Performance Indicator. O termo expressa os indicadores-chave de performance, que contribuirão para que as equipes possam analisar aqueles números mais importantes para a empresa — e, com isso, traçar estratégias para aperfeiçoá-los. Por meio do KPI, as equipes podem direcionar seus esforços para o que realmente importa, economizando tempo e trazendo melhores resultados no futuro.

21. Liderança

Liderança significa dirigir pessoas. Um bom líder é aquele que entende as particularidades de cada pessoa e que sabe orientá-la de acordo com a situação, além de influenciar em comportamentos que permitam resultados mais atrativos — tanto individual como coletivamente.

22. Missão

A missão é um propósito; ou seja, o motivo da existência de uma empresa. Apesar de ser um propósito genérico, seu objetivo é durar por muito tempo — no entanto, é possível alterá-lo com o passar dos anos, de acordo com as necessidades da organização.

Ter conhecimento da missão contribui para que todas as pessoas envolvidas no sucesso do negócio estejam alinhadas com esse propósito, sendo uma parte essencial do planejamento estratégico.

23. Multigeracional

Uma empresa multigeracional é aquela que integra diferentes gerações no ambiente de trabalho. É um ganho enorme para as organizações, uma vez que traz bons resultados por explorar diferentes competências, de diferentes pessoas, em busca de um mesmo objetivo.

24. Onboarding do colaborador

Onboarding é um conjunto de estratégias com o intuito de oferecer boas-vindas ao novo colaborador. Pode ser uma semana de atividades, por exemplo, nas quais os principais profissionais de diferentes áreas explicam sobre o funcionamento da empresa. O onboarding também pode ser baseado em eventos mais curtos, de modo que apresente à nova pessoa os pontos mais estratégicos do negócio.

25. People Analytics

Tomar decisões baseadas em dados deve ser um dos grandes objetivos de qualquer empresa — e de qualquer área interna. O People Analytics é justamente o processo de coleta e análise de dados voltado para a área de Recursos Humanos. Nesse sentido, é possível aperfeiçoar pontos específicos da empresa, o que colabora para contratações mais eficazes e para a redução do absenteísmo e da rotatividade.

26. Plano de cargos e salários

O plano de cargos e salários pode ser entendido como um descritivo de cada posição de trabalho que existe dentro da empresa, bem como o salário correspondente a ela. Dessa forma, é possível ter mais organização e controle de questões referentes aos colaboradores e seus pagamentos — de modo que cada pessoa pode entender de forma mais efetiva a sua função dentro da empresa, e por que o seu salário é justo em relação a essas atividades.

27. RH mobile

Hoje, os mais diversos setores das empresas têm apostado na tecnologia como aliada para a automatização de processos. No caso do RH, não é diferente. O RH mobile é a estratégia de utilizar a tecnologia para as tarefas se tornarem mais simplificadas no setor, possibilitando que elas sejam, inclusive, desempenhadas de qualquer lugar.

28. Soft skills

Em uma empresa, é necessário avaliar as habilidades dos profissionais para chegar ao melhor desempenho. Soft skills são exatamente as competências relacionadas ao comportamento de cada pessoa, atreladas às suas experiências e/ou à própria personalidade.

Em um processo seletivo, ter o conhecimento das soft skills dos candidatos contribuirá para que você encontre aqueles que melhor se encaixem à vaga — e que, de fato, façam a diferença na empresa.

29. Turnover

Ao longo deste artigo, chegamos a mencionar sobre o turnover. Em seu significado literal, o termo representa a rotatividade de pessoal em uma empresa. Em outras palavras, trata-se do índice de entradas e saídas de colaboradores em determinado período de tempo.

Ter o entendimento sobre essa taxa contribui para que estratégias eficazes sejam elaboradas, a fim de aumentar a satisfação das pessoas e melhorar o engajamento com as principais demandas do negócio.

30. Visão

Assim como a missão, a visão está intimamente ligada ao planejamento estratégico. Nesse caso, é a representação de onde a empresa deseja chegar — ou seja, quais são os principais objetivos em longo prazo.

Como exemplo, a visão da Apple é “mudar o mundo através da tecnologia”. Sendo assim, podemos dizer que a visão permite indicar os motivos das metas preestabelecidas pela organização.

E então, o que achou de conferir o nosso dicionário do RH? Ao conhecer esses termos, bem como as principais tendências do setor, você certamente levará o melhor desenvolvimento possível para seus profissionais — contribuindo, consequentemente, para o excelente desempenho da sua empresa como um todo.

Para ter acesso a outras dicas e conceitos importantes sobre o mundo do RH, assine nossa newsletter e receba diretamente em sua caixa de entrada.

Gostou? Compartilhe

Quer conhecer mais sobre os benefícios flexíveis da Vee? Preencha o formulário e entraremos em contato com você.