Empreendedorismo e RH na pandemia com Cris Arcangeli e Edu Gouveia – Melhores Momentos

Tempo de leitura: 5 min
Livee com Cris Arcangeli

Como será a liderança no novo normal? O que acontece com o Empreendedorismo , gestão de pessoas e RH na pandemia?

Esse foi o tema do debate desta quarta-feira, 16, entre a empreendedora, investidora, CEO da beauty´in e “tubarão” no programa Shark Tank Brasil, da Sony,  Cristina Arcangeli e Edu Gouveia, conselheiro da Vee, especialista em loyalty, meios de pagamento e benefícios . A mediação foi de Raphael Machioni, CEO da Vee.

Reveja a liVEE com Cris Arcangeli e Edu Gouveia

Como será a gestão de colaboradores no “novo normal”?

Cris Arcangeli compartilhou sua experiência com crises e disse ter se mantido serena.

Esse é um momento de grandes transformações. Eu já passei por grandes crises na minha vida, então isso não é uma coisa que grande me assusta”, contou. Eu sei que o pessoal de 30 anos ainda não viu crises, porque nos últimos 20 anos tivemos anos bastantes estáveis pertos dos anos que eu vi, no meu começo como empreendedora. Então hoje, eu sei, que com a crise, mais oportunidade vem também. Quando surgem dores, novas oportunidades para trazer soluções.”

E ela completou:

“Como líder, a minha posição, foi o momento de compartilhar essa paz, um pouco de calma. Estudar nosso mercado e ver as transformações que vieram com este impacto”.

O conselheiro da VEE Edu Gouveia revelou que, apesar da crise, sentiu um momento de muito acolhimento e empatia entre as pessoas.

“Nunca passei por uma crise com uma extensão tão forte como essa, de ‘jogar’ todo mundo em casa, lockdown. Mas foi um momento muito rico também, de empatia, de acolhimento”, contou Edu, ex-CEO de Livelo, Alelo, e Multiplus, entre outras. “A tempestade é igual para todo mundo, mas a gente está em barcos diferentes. Pessoas sofrendo mais ou menos. Então foi a hora de tratar cada um individualmente. O líder chegar perto, fazer o ritual de proximidade. Tem muita gente sofrendo. O papel do líder agora é de empatia, de acolhimento, de entender, de chegar perto”.

A importância do digital e da tecnologia

Cris Arcangeli também mostrou o seu ponto de vista sobre a mudança às pressas para o digital e o trabalho remoto. Ela aproveitou para explicar qual é, na sua opinião, o grande problema que enfrenta no Brasil.

“Foi uma transformação desde quando decidi que não ia voltar para o varejo e iria focar mesmo no digital. Eu tive o primeiro produto físico vendido no Hotmart, as pessoas ainda não tinham esse costume na época. E isso surgiu mais apressadamente na quarentena. Mas acredito que as pessoas aprenderam a usar e entenderam a lidar com isso. Mas o grande problema é que no Brasil a gente tem um problema muito grave com logística. O maior desafio agora é a distribuição.” 

Edu Gouveia também afirmou que o consumidor atual está muito exigente e que as tecnologias estão trazendo um senso de urgência muito maior.

“O mercado também está muito exigente. Se um produto demora um ou dias para chegar, parece que ele está demorando muito. O celular trouxe um senso de urgência muito grande. Tudo precisa ser para agora e a gente teve que lidar com essa impaciência durante a pandemia, contratar e treinar funcionários para lidar com isso durante a crise.”

Como lidar com tantas mudanças no trabalho?

Edu Gouveia afirmou que a flexibilidade foi essencial para o RH na pandemia e será também para a readaptação futura.

“A readaptação vai ser voltar ao escritório. Não vai ser igual ao modelo antigo, haverá novas regras. E eu acredito muito no equilíbrio.” Ele explicou: “Neste momento, por exemplo, estou em Recife, e estou trabalhando como se estivesse em São Paulo. Então essa flexibilidade faz com que os talentos sejam não mais locais, mas globais. As fronteiras caíram.”

Já Cristina Arcangeli, mostrou preocupação com as mudanças drásticas e disse que é preciso ter cautela na hora de tomar decisões importantes.

“Eu me preocupo um pouco, porque acredito que acho que não dá para ser 100% online. Acho muito cedo, uma atitude muito drástica para poucos meses dessas experiência, porque está todo mundo em casa obrigatoriamente, então está funcionando ‘na marra’. A gente deveria esperar um pouco tudo voltar para tomar essas medidas definitivamente.” 

A nova era do RH na pandemia

O conselheiro da VEE, Edu Gouveia, contou como foi o início da pandemia e que agora é necessário mirar na retomada.

“A gente teve momento de muito choque no começo, quando foi decretado o lockdown. Tiveram várias empresas em que tenho atuação que estavam mais preparadas e outro bem menos preparadas. Tivemos que cuidar das pessoas, não somente com notebooks, mas da saúde mental. Mas outro cuidado foi com as próprias empresas, olhar o caixa, se preparar para o pior. Cuidamos da cadeia de suprimentos, desde o fornecedor. E agora, estamos mirando na retomada.”

Edu completou:

“Empresas que tinham culturas bem definidas se saíram muito bem. Tenho certeza que a empresa da Cris foi uma delas, porque ela tem uma liderança muito forte. Outras empresas que estavam com culturas mais largadas sofreram um pouco mais.” 

O que o RH pode fazer para ajudar os colaboradores agora mesmo?

Edu Gouveia é taxativo sobre como deve agir o RH na pandemia (e depois dela).

“O conselho agora é: cuide da saúde mental da turma. Tem muita gente trabalhando em apartamento pequeno, sem sair de casa a meses. Isso é muito importante”.

Cris Arcangeli afirmou que foi uma época de sair da zona de conforto de novos descobrimentos:

“Existem mercados que foram muitos desafiados, como o turismo, festas, etc. Mas todo mundo saiu da zona de conforto. Foi época de testar. No fundo, essa quarentena e essa mudança toda, com todo esse sofrimento, trouxe muitos descobrimentos e adaptações. Foi uma oportunidade que nós tivemos para exercitar muitas coisas.”

Cuidado com os colaboradores

Cris finalizou o bate papo afirmando a importância de cuidar de pequenos e médios empreendedores e quais foram sua ações durante a crise.

“Essa pandemia trouxe uma coisa bastante impactante, no meu ponto de vista, pois ela escancarou as diferenças sociais. Então quando você vê uma classe que se isolou em praias, fazendas, como se o mundo tivesse acabado, ainda existem pessoas que precisam pagar suas contas e precisam sair no dia a dia. Então, eu desde o começo da quarentena me coloquei para ajudar os pequenos e médios empreendedores, porque me solidarizei com essa situação, acho que foi muito pouco tratado, mesmo com todas as linhas de créditos liberadas.” 

Edu completou a fala de Cris, reafirmando que, mais do que nunca, o RH e a liderança devem andar juntos, para que os funcionários possam usufruir de um líder empático.

“Eu vejo o papel da liderança e do RH com uma proximidade muito grande. É importante entender a especificidade de cada um. A gente está tendo um problema muito sério de saúde mental agora, as pessoas estão estressadas e a gente tem que respeitar isso. O papel do líder e do RH é de empatia, de entender o funcionário e se aproximar dele.” 

Quer ficar por dentro das LiVEEs antes de todo mundo e receber novidades do RH na pandemia (ou não?). Assine a nossa Newsletter!

Gostou? Compartilhe

LiVEE: A liderança no Novo Normal – O que sabemos das mudanças para empreendedores e RHs a partir de agora

Tempo de leitura: 2 min
LiVEE com Cris Arcangeli e Edu Gouveia sobre liderança no Novo Normal Pós Covid-19

A vida do empreender mudou muito após a pandemia do novo coronavírus, e o grande questionamento que fica é como será o RH e a relação com o colaborador a partir de agora. E é pra falar sobre isso que a Vee Benefícios está organizando mais um evento online, a Live  “A liderança no Novo Normal – que sabemos das mudanças para empreendedores e RHs a partir de agora”.

E a live vem com convidados de peso, entre eles: Cristina Arcangeli, empreendedora, investidora, CEO da beauty´in e “tubarão” no programa Shark Tank Brasil, da Sony. Também vai marcar presença Edu Gouveia, conselheiro da Vee, especialista em loyalty, meios de pagamento e benefícios. A mediação é de Raphael Machioni, CEO da Vee Benefícios.

O evento acontece no dia 16 de setembro, à partir das 18h30.  As inscrições são totalmente gratuitas. Você pode garantir sua vaga no link: https://beneficios.vee.digital/live-a-lideranca-no-novo-normal-com-cris-arcangeli-e-edu-gouveia/

 Inscreva-se na LiVEE “A liderança no Novo Normal

Sobre a Cris Arcangeli: 

Empresária, apresentadora e palestrante. Atua no mercado de beleza, bem estar  e de alimentos funcionais. Empreendedora serial é criadora de cinco empresas: Phytoervas, Phyta , PH – Arcangeli ,Eh e atualmente é CEO na beauty’in  e sócia do Fundo de Investimento Phenix. É também conselheira da Endeavor  e diretora do CJE da FIESP. É a Apresentadora feminina do programa Shark Tank no Canal Sony e Consultora de beleza e qualidade de vida multimídia. Tem três livros publicados e dois boletins diários no seu programa Manual, na Rádio Alpha FM, há mais de 10 anos. Tem um blog de saúde, beleza ,moda e bem estar e está presente em todas as redes sociais onde gera conteúdo para mais de 1 milhão de mulheres diariamente.

Faz palestras sobre empreendedorismo , empoderamento feminino, beleza e inovação no Brasil e internacionalmente. Foi uma das mulheres que mais influenciou o mercado de moda brasileiro com a criação  da primeira semana de moda brasileira. Ocupa a cadeira 21 da Academia Brasileira de Marketing e foi reconhecida com 24 prêmios, entre eles: Personalidade do ano pelo Governo do Estado de São Paulo, Mulher Mais Influente do País e Prix Veuve Clicquot de la Femme d’Affaires.

banner livee

Sobre Eduardo Gouveia: 

Expert em meios de pagamentos, loyalty e benefícios, Gouveia tem grande trajetória no setor. Entre 2016 e 2018 foi CEO da Cielo, uma das principais empresas de pagamentos do país. Também assumiu a Direção Executiva das empresas Alelo, entre 2013 e 2016, da Livelo, de 2014 a 2016, e da Multiplus, de 2010 e 2013.

Sobre a Vee Benefícios:

A Vee é uma HR tech brasileira que oferece um pacote completo de benefícios, através de benefícios flexíveis, descontos em academia, saúde emocional e clube de descontos. Operando comercialmente desde 2018, ela resolve um problema comum das empresas brasileiras: a gestão dos benefícios recebidos pelo trabalhador. A solução proporciona mais flexibilidade e liberdade ao colaborador, empoderando-o na utilização dessas vantagens. Em uma única plataforma, ele tem acesso a benefícios flexíveis, descontos em academias, saúde mental, clubes de benefícios e de viagens, entre outros. Além disso, possibilita às corporações oferecerem o mesmo pacote de vantagens de grandes multinacionais de forma gratuita para as empresas, garantindo que seus clientes consigam atrair e reter talentos.

Gostou? Compartilhe

LiVEE: RH, por que a saúde financeira do seu colaborador é importante pra você?

Tempo de leitura: 4 min
Melhores momentos liVEE entre o CEO da VEE, Raphael Machioni e o parceiro da Creditas, Rafael Milaré

Você sabe porque a saúde financeira do colaborador deveria te importar? E isso  além do salário oferecido? Este foi o tema do debate da Livee da última quarta-feira, 26, entre o CEO da Vee, Raphael Machioni, e Rafael Milaré, do time da Parcerias da Creditas.

A Creditas é uma fintech,uma empresa que trabalha com alguns produtos voltados para o colaborador e entre eles está a linha de crédito para o funcionário, que pode entrar em diferentes fases na vida do profissional.

Reveja a LiVEE

Mas qual porque se importar com a vida financeira de seu funcionário? 

Milaré respondeu:

“Se a gente olhar um pouco para nossa vida pessoal, a gente já entende bastante como é importante falar de saúde financeira. Eu sempre costumo falar com os RH sobre saúde financeira e peço para se imaginarem em um momento em que estão passando por uma dificuldade financeira. E aí questiono: ‘Como é que você age?’ ‘Como você lida com isso durante o período que está trabalhando?’. A resposta é que todos somos humanos, então temos que falar sobre isso dentro das empresas, as pessoas já falam dentro da sua casa.”

banner livee

Rafael também fez questão de frisar o quanto um problema financeiro pode deixar um colaborador improdutivo e desfocado de suas obrigações. E isso afeta diretamente em suas demandas na empresa.

“Quando a gente deixa de tocar nesse assunto, a gente deixa de ser uma empresa muito mais saudável”, explicou. “Você pode ter certeza que aquele colaborador mais produtivo, que entrega tudo no timing certo, esse cara não tem tanto problema com dinheiro, ele não está preocupado com tantas coisas externas. Essa é a importância da gente falar sobre dinheiro. Uma equipe com a saúde mental, porque o dinheiro mexe com a saúde mental.”

Ele também comentou  sobre o fato de a cultura brasileira não abordar adequadamente o assunto. Ao contrário de outros países, em que desde a escola se fala sobre saúde financeira, isso não acontece aqui.

“A gente não sabe como lidar com o nosso dinheiro. nesse momento que a gente tem que trazer o assunto para o RH. Como o nome já diz: Recursos Humanos, é para cuidar do humano. Então ele tem esse dever de trazer isto para a mesa.”

O CEO da Vee, Raphael Machioni, completou afirmando como um problema financeiro pode afetar em outras áreas na vida do colaborador, até mesmo na convivência com os coworkers e sua saúde física.

“É normal quando se está com um problema financeiro a pessoa não estar num humor bom, em seu melhor mood. Então você acaba ficando meio ranzinza, impactando as pessoas. Muitas vezes os outros até pensam: ‘ah, por que o cara não faz academia?’, Não é porque ele não tem desconto, o que ele não tem é dinheiro e nem cabeça para fazer o esporte.”

Problemas Financeiros impactam a vida profissional 

Durante a LiVEE, Rafael Milaré mostrou dados de um estudo do IBOPE feito a pedido da Creditas. Nele é possível ver claramente como problemas financeiros impactam diretamente na produtividade do colaborador.

“As pesquisas dizem que pessoas que têm dificuldades financeiras ficam uma hora e meia por dia de trabalho para resolver estes problemas”, explicou. E o estudo vai além: “  Dessas pessoas, 32% fazem trabalho extra. Ele tem que se tornar uber, comprar coisas para vender na empresa. Isso entra naquela uma hora e meia que se perde, que poderia ser usada de maneira mais produtiva para a empresa. E tudo isso leva um aumento excessivo de turnover.”

Com dados tão nítidos sobre a importância da saúde financeira nas empresas, Raphael Machioni questionou Milaré sobre o porquê ainda acredita que muitas firmas ainda são tão relutantes para sobre o assunto.

“Acho que não é só um problema das empresas, é também das pessoas. As pessoas têm dificuldades de falar sobre dinheiro, porque a gente não foi ensinado a falar sobre isso. Nas escolas a gente não aprendeu, tem famílias que as pessoas não sabem nem qual é o salário do outro. E quando a gente traz isso para o mundo corporativo, fica ainda mais difícil”, pontuou Rafael.

Como abordar o assunto na sua empresa?

Rafael Milaré afirmou que a dificuldade de abordar o tema é maior em empresas em que os salários são menores. Nestes casos, os RHs acabam considerando o assunto ainda mais delicado.

Mas ele acredita em uma solução:

“Uma forma de tratar sobre isso é contratar um terceiro para falar sobre o assunto na sua empresa. Este custo no final do dia vai ser muito mais baixo do que você tiver um aumento de turnover, por exemplo. É muito melhor você colocar na ponta do lápis e ver como é benéfico.”

O CEO da Vee também completou:

“O difícil é começar. Depois tem boca a boca. Essa pessoa vai ficando mais leve, mais produtiva, eventualmente até consegue uma promoção porque está produzindo mais.”

Como alcançar cada colaborador

Milaré mostrou outro estudo que a Creditas formulou, onde identificaram que existem três tipos de perfis de colaboradores.

“Hoje, 84% dos CLTs não possuem uma saúde financeira boa. 30% é aquele cara que está totalmente no vermelho. Então, não adianta virar para ele falar que tem que investir. Tem que entender o momento dele, que é de sair do vermelho. As empresas têm que olhar para este profissional de maneira diferente.”

O convidado da LiVEE ainda mostrou que existe uma minoria, que representa apenas 16% dos profissionais CLTs, que realmente conseguem fazer seu dinheiro render e se transformá-lo em investimentos. E enfatizou que o trabalho necessita ser diferenciado para cada colaborador.

“Muitas vezes as empresas começaram a trabalhar financeiramente, mas tem o mesmo conteúdo para os três perfis. Não é assim que funciona. É importante saber conversar com cada pessoa.”

Quer saber como a Vee pode ajudar a sua empresa a melhorar a saúde financeira e entregar os melhores benefícios para os seus colaboradores? Então entre em contato acessando: https://vee.digital/contato  

Gostou? Compartilhe

LiVEE: RH, por que a saúde financeira do seu colaborador é importante pra você?

Tempo de leitura: 2 min
LiVEE com Rafael Milaré e Raphael Machioni, CEO da VEE

RH, você sabe porque a saúde financeira dos seus colaboradores deveria te importar (e muito), muito além do salário oferecido? Uma pesquisa realizada pelo IBOPE a pedido da Creditas traz essa resposta e chegou a hora de contar pra você o porquê.

No próximo dia 26 de agosto, às 19 horas, o CEO da Vee Raphael Machioni recebe Rafael Milaré, do time da Parcerias da Creditas para uma LiVEE especial com o tema “RH, por que a saúde financeira do seu colaborador é importante pra você?”. As inscrições são totalmente gratuitas e já estão abertas. Não deixe de garantir sua vaga acessando o link: https://beneficios.vee.digital/live-creditas-saude-financeira-do-seu-colaborador/ ou no formulário abaixo.

Inscreva-se la LiVEE com a Creditas:

Mas como auxiliar na saúde financeira de seu colaborador?

O bem-estar dos funcionários está diretamente ligado a sua saúde financeira, conforme o estudo encomendado pela Creditas ao IBOPE Inteligência.

Porém, segundo informações divulgadas pela Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), 84% dos trabalhadores entrevistados enfrentam dificuldades quando o assunto é dinheiro e sofrem prejuízos por não entenderem de finanças.

A análise da Creditas e do IBOPE mostra que quase metade dos profissionais, cerca de 44%, dos pesquisados,  desejam trabalhar em uma empresa que os ajude em sua gestão financeira. Além disso, cerca de 19 % deles dizem que produzem menos no trabalho quando as contas não estão em dia.

LiVEE 26 de agosto

Estes dados são uma demonstração de como a estabilidade financeira pode influenciar na qualidade do trabalho de seus funcionários, o que será debatido na LiVEE.

Sobre a Vee Benefícios:

A Vee é uma HR tech brasileira que oferece um pacote completo de benefícios, através de benefícios flexíveis, descontos em academia, saúde emocional e clube de descontos. Operando comercialmente desde 2018, ela resolve um problema comum das empresas brasileiras: a gestão dos benefícios recebidos pelo trabalhador. A solução proporciona mais flexibilidade e liberdade ao colaborador, empoderando-o na utilização dessas vantagens. Em uma única plataforma, ele tem acesso a benefícios flexíveis, descontos em academias, saúde mental, clubes de benefícios e de viagens, entre outros. Somando a isso, possibilita às corporações oferecerem o mesmo pacote de vantagens de grandes multinacionais de forma gratuita para as empresas, garantindo que seus clientes consigam atrair e reter talentos.

Sobre a Creditas:

Creditas é uma startup brasileira do segmento de serviços financeiros (fintech). Ela é a principal plataforma online de crédito com garantia do Brasil. A Creditas trabalha com quatro produtos principais: empréstimo com garantia de imóvel, empréstimo com garantia de veículo, empréstimo consignado privado e financiamento de veículo.

Gostou? Compartilhe

A pandemia criou novos objetivos para o seu colaborador. Como o RH da sua empresa pode ajudar?

Tempo de leitura: 3 min
Os melhores momentos da live sobre novos objetivos dos colaboradores em tempos de pandemia

Um dos poucos consensos sobre a vida depois da pandemia é que a vida não vai ser a mesma que era até o início do mês de março. Não à toa se cunhou o termo “Novo Normal”, que é trending topic em qualquer discussão sobre a realidade que iremos viver daqui pra frente, dentro ou fora das empresas. As pessoas têm novos objetivos, novos desejos. Mas como você, de Recursos Humanos, pode ajudar pode ajudar o seu colaborador neste momento?

Por isso, a Vee se uniu à 7waves e o Movimento Officeless em um evento online justamente para discutir este assunto e dar dicas práticas para quem trabalha com gestão de pessoas sobre como encarar os novos objetivos do seu colaborador.

LiVEE 26 de agosto

O evento faz parte da trilha LiVEEs, a série de lives da Vee Benefícios, focadas em profissionais do setor de Recursos Humanos e de gestão de pessoas. A apresentação foi de Raphael Machioni, CEO da Vee, com as participações de Rodolfo Ribeiro (fundador e CEO da 7waves) e Flavio Ludgero (iniciador do Officeless).

Como se preparar para os novos objetivos, pessoais e profissionais, depois da pandemia

Mas, afinal, quais são os novos objetivos do seu colaborador?

Uma pesquisa feita pela 7waves com mais de 12 mil dos seus usuários mostrou que realmente as pessoas já têm novos objetivos, planos e ambições para 2020, considerando o cenário de pandemia em que vivemos. 

Antes, as duas principais prioridades que elas tinham eram “Quitar dívidas” e “Viajar nas férias”. Agora, são “Guardar dinheiro” e “Iniciar um curso de especialização”. Ambas sinalizam uma única conclusão nos novos objetivos dos colaboradores: segurança e estabilidade em tempos de crise.

“22% dos usuários que querem subir de cargo postergaram os planos. Isso por conta da perspectiva de mercado e da economia desaquecida”, explica o Founder e CEO da 7waves, Rodolfo Ribeiro”. As pessoas colocaram um freio nas próprias perspectivas. O crescimento pode até vir, mas as pessoas já não esperam isso para 2020”

E qual o papel do RH neste novo momento do colaborador?

Durante a LiVEE, Raphael Machioni, o CEO da Vee ressaltou algo importante: o protagonismo do RH neste momento de transformação gerado pela pandemia de Covid-19. Se em crises anteriores outras áreas “brilharam”, essa é a vez do time de gestão de pessoas.

“O maior desafio do RH é se adaptar a que as pessoas estão e estarão em uma realidade diferente”, explica Raphael. “O papel do RH vai ser de alinhar a missão da empresa com a nova missão de vida das pessoas. E como a gente faz isso? Com tecnologia e dados”.

Flávio Ludgero, iniciador do Officeless no Brasil, também falou dessa nova fase mais analítica do RH. Para ele, isso inclusive vira argumento para ainda mais ações positivas na gestão de pessoas e nos novos objetivos dos colaboradores.

“Não é a toa que nunca ouvimos tanto falar em People Analytics. Isso, mais do que nunca, é fundamental (para o RH) apresentar argumentações com o board e o C-Level, mostrar que os indicadores de pessoas também são relevantes. E as empresas estão aprendendo a lidar com isso, a metrificar o RH, que precisa começar a desenvolver essa habilidade, unindo a empatia com lado racional”.

E o Home Office, ele veio pra ficar?

Se tem alguém que pode falar com propriedade sobre o trabalho remoto, esse alguém é Flávio Ludgero, do Officeless. Ele falou sobre a diferença entre Home Office, sobretudo neste momento de pandemia, para o trabalho remoto de verdade.

“Home Office não é sinônimo trabalho remoto por definição. O trabalho remoto é poder trabalhar do lugar que vc se sente mais produtivo naquele dia. Pode ser da sua casa, de um coworking, do escritório, um café, um aeroporto”, explicou.

E as empresas devem estar preparadas para isso se tornar o padrão, com essa flexibilidade.

O colaborador pode ser que não queira mais pegar horas de trânsito pra ir trabalhar, ele não vai querer mais aglomeração. Mas também vai ter quem prefira voltar ao escritório. É individual”, comentou Raphael Machioni.

O CEO da Vee também falou sobre a importância dos benefícios se adaptarem aos novos objetivos dos colaboradores. E os benefícios flexíveis são a alternativa ideal para empresas de todos os tamanhos. 

“A gente está vendo cada vez mais as empresas oferecendo um Auxílio Home Office, que ajuda os colaboradores a comprarem um kit ergométrico pra casa, além de gastos com luz, telefonia e internet. É por isso a gente fala em flexibilizar, isso ajuda as pessoas a usarem o dinheiro como elas quiserem e precisarem naquele momento”.

Quer saber como a Vee pode ajudar a sua empresa a entregar os melhores benefícios para os seus colaboradores? Então entre em contato acessando: https://vee.digital/contato 

Gostou? Compartilhe

Livee: “Como se preparar para os novos objetivos, pessoais e profissionais, depois da pandemia”. Inscreva-se!

Tempo de leitura: 3 min
Como as empresas podem se preparar para os novos objetivos das pessoas depois da pandemia

Pode soar clichê, mas é muito real. A nossa vida já não é mais a mesma que era em fevereiro e tampouco voltará ao de antes depois do fim da pandemia de Covid-19. Não é apenas a nossa rotina que mudou, mas as nossas perspectivas para o futuro também. E é pra falar sobre isso que a Vee Benefícios convidou a 7waves e o Officeless para um evento online: Como se preparar para os novos objetivos, pessoais e profissionais, depois da pandemia.

A live acontece no próximo dia 13 de agosto, à partir das 19h00 e as inscrições são totalmente gratuitas. Você já pode garantir a sua vaga no link: https://beneficios.vee.digital/live-novos-objetivos-pos-pandemia/

Esse evento digital faz parte da trilha LiVEEs, a série de lives da Vee Benefícios, focadas em profissionais do setor de Recursos Humanos e de gestão de pessoas. 

A apresentação será do Raphael Machioni, CEO da Vee, e contará com as participações de Rodolfo Ribeiro, fundador e CEO da 7waves; e Flavio Ludgero, fundador do Officeless.

Inscreva-se na Livee

“Como se preparar para os novos objetivos, pessoais e profissionais, depois da pandemia”.

Mas, afinal,quais são os novos objetivos das pessoas depois da pandemia?

Entre os meses de março e junho de 2020, a 7waves realizou uma pesquisa para analisar as expectativas dos trabalhadores brasileiros para os seus objetivos pessoais e profissionais a serem realizados em 2020, considerando os cenários antes e durante a crise de Covid-19, com muitos em Home Office e isolamento social.

Dentre as conclusões da pesquisa, está a revelação de que o grande objetivo do trabalhador brasileiro mudou durante a pandemia. Se antes a prioridade era “quitar dívidas”, agora o que as pessoas querem é “guardar dinheiro”.

LiVEE 26 de agosto

Essa mudança parece pequena, mas sinaliza uma mudança de mentalidade importante. A instabilidade do momento está mostrando para as pessoas a importância de estar preparado para situações de crise e incerteza, por isso a necessidade de economizar e “fazer um pé de meia”.

O novo sentimento também aparece refletido em outro dado. 59% dos usuários da 7waves, que entraram neste estudo, tem como objetivo empreender ou ter uma ocupação extra ainda em 2020. O aumento de renda é a meta. 

Em uma pesquisa feita aqui pela Vee, essa mudança de comportamento também aparece refletida nos benefícios dos colaboradores. As pessoas estão usando o valor recebido da empresa de outra maneira. O gasto com internet e energia, por exemplo, subiu 229%. Isso representa uma alta no de 189% no valor, atingindo um ticket médio de R$ 83 para essas despesas. 

É uma adaptação a uma nova realidade que você vai conferir em mais detalhes na live.

Sobre a Vee Benefícios:

A Vee é uma HR tech brasileira que oferece um pacote completo de benefícios, através de benefícios flexíveis, descontos em academia, saúde emocional e clube de descontos. Operando comercialmente desde 2018, ela resolve um problema comum das empresas brasileiras: a gestão dos benefícios recebidos pelo trabalhador. A solução proporciona mais flexibilidade e liberdade ao colaborador, empoderando-o na utilização dessas vantagens. Em uma única plataforma, ele tem acesso a benefícios flexíveis, descontos em academias, saúde mental, clubes de benefícios e de viagens, entre outros. Além disso, possibilita às corporações oferecerem o mesmo pacote de vantagens de grandes multinacionais de forma gratuita para as empresas, garantindo que seus clientes consigam atrair e reter talentos.

Sobre o Officeless:

Officeless é um movimento que acredita no trabalho remoto como forma de potencializar a autonomia, propósito e confiança entre pessoas e negócios. Entendemos que desejos pessoais devem estar alinhados com o que queremos para a nossa carreira. Não somos reféns de um endereço, carga horária e muito menos do cartão-ponto.

No final, o que é mais importante para você: o impacto gerado e as entregas realizadas ou o local de trabalho e a quantidade de horas trabalhadas? Essa é a nossa maior provocação. O que queremos é ajudar profissionais e negócios de diferentes segmentos a quebrar paradigmas e modelos industriais de trabalho.

O Officeless é um Movimento iniciado pelo Startaê, um estúdio formado por pessoas que acreditam que as relações de trabalho moldam o processo criativo e que desenha produtos digitais. Mas, esse é um Movimento que também é seu e de quem mais quiser. 

Sobre a 7waves: 

A 7waves uma startup criada em 2017 que tem como missão “prover inteligência tecnológica que ajude as pessoas no cumprimento de suas metas e objetivos de vida”​. Como consequência, esperamos conquistar nosso objetivo de longo prazo, que é “ser a maior plataforma global para gestão de futuro das pessoas”​.

Gostou? Compartilhe