Os aspectos legais da pandemia de coronavírus para empresas

Tempo de leitura: 5 min
Como lidar com os aspectos legais que mudaram as relações trabalhistas em meio à pandemia do novo coronavírus.

Com a COVID-19, é fato que o mundo mudou em diversos aspectos, na vida pessoal e profissional das pessoas e com grandes impactos na vida das pessoas e das corporações. Com isso, muitos novos assuntos estão vindo à tona nas empresas, entre eles os aspectos legais da pandemia e como lidar com as mudanças que ela traz.

Pensando nesse momento em que muitos estão encarando a gestão remota e o home office pela primeira vez, preparamos um resumo de alguns aspectos legais, retirados da cartilha Madrona, para que as empresas possam enfrentar melhor este novo desafio e ajudá-las a passar com transparência por estes momentos.

No Brasil, foi criada uma Lei nº 13.979/2020 que prevê algumas medidas de saúde pública que devem ser tomadas referente ao COVID-19. Dentre elas, ausência no trabalho, quarentena, exames médicos e outros são considerados justificáveis no momento, não devendo haver prejuízos no trabalho. 

Ainda assim, esse cenário é muito novo para nós e não existe uma solução exata de qual é a melhor maneira de lidar com nossas relações profissionais e com o nosso negócio. Por isso, aspectos legais estão sendo buscados para estabelecer formas de como assegurar a garantia de trabalho enquanto o COVID-19 estiver circulando.

Aspectos legais para empresas durante a pandemia de COVID-19

Veja algumas saídas estabelecidas pelos órgãos jurídicos que podem ajudar nesse momento. 

Para a prevenção do vírus: 

  • Incentive medidas de higiene dos colaboradores da sua empresa, sobretudo aqueles que não podem trabalhar de casa, e aumente a limpeza do local. Promova acesso a produtos de limpeza e higiene, como álcool em gel 70%;
  • Caso alguém apresente sintomas ou suspeita da doença, é preciso que essa pessoa e todos os demais que tiveram contato com ela fiquem em quarentena por 14 dias;
  • Evite viagens desnecessárias e reuniões presenciais. Opte por fazer as tratativas via e-mail, ligações ou call;
  • Mantenha a distância mínima de 2 metros entre cada indivíduo, como recomenda a OMS.

Sobre o trabalho remoto: 

A adoção do home office (ou teletrabalho) pode ser formalizado por meio de um aditivo contratual escrito que deve indicar as regras negociadas entre empregado e empregado. Muitas empresas deixaram de atualizar suas políticas internas e isso é extremamente relevante.

  • Deve haver um acordo entre os líderes e seus colaboradores diante das organizações de como será feito o Home Office;
  • A responsabilidade das despesas com o trabalho a distância devem ser formalizadas no aditivo contratual. (Dica: com benefícios flexíveis, fica mais fácil dar o auxílio home office para seus colaboradores);
  • Recomenda-se a elaboração e formalização de um manual de política de boas práticas de home office que estabeleça, por exemplo, a existência (ou ausência) da forma do controle de jornada e os meios de comunicações oficiais durante este período.

Banco de horas relativos à pandemia de Covid-19:

Para funcionários que não puderem realizar suas atividades de maneira remota durante a pandemia, será criado um banco de horas individual.

  • Este banco de horas é complementar ao banco de horas já existente na empresa, caso ele exista.
  • A compensação das horas deste período deverá acontecer em até 18 meses (um ano e meio) a partir do fim do estado de calamidade por conta do COVID-19, previsto para ser encerrado em 30 de dezembro de 2020. Ou seja, até o fim de junho de 2022. 

Férias coletivas:

A MP 927/2020 também alterou algumas regras sobre férias individuais no período de pandemia de COVID-19.

  • É necessário apenas notificar os empregados com 48 horas de antecedência. Não há limite máximo de períodos anuais nem mínimo de dias corridos;
  • Dispensa a empresa comunicar previamente o Ministério da Economia e o sindicato representativo da categoria profissional sobre a concessão de férias coletivas.
  • Aplicável a todos os colaboradores ou a um determinado setor. Atenção: pessoas da mesma área devem gozar das férias coletivas ao mesmo tempo.

Férias individuais:

É importante prestar atenção às mudanças que a Medida Provisória 927/2020 promoveu para férias coletivas durante o período da pandemia de coronavírus. Veja as regras vigentes:

  • Possibilidade de diferimento do pagamento do terço de férias até dia 20 de dezembro de 2020, junto com a última parcela do 13˚ salário, sem necessidade da antecipação da remuneração de férias;
  • É possível conceder férias individuais ainda que o chamado período aquisitivo (12 meses de trabalho) não tenha transcorrido;
  • Prioridade de férias para integrantes dos grupos de risco.

Redução de salário e carga horária:

Prevista na Lei 14.020/2020. Uma das medidas mais adotadas pelas empresas desde o início da pandemia do novo coronavírus.

  • Empregado e empregador podem negociar a redução proporcional de jornada e salário, nos percentuais de 25%, 50% e 70%, mediante pagamento de Benefício Emergencial pelo governo, no mesmo percentual da redução aplicada, sobre o valor do seguro desemprego que esse empregado faria jus;
  • Decisão precisa ser formalizada por escrito entre as partes e notificada ao Ministério da Economia e ao sindicato.

Plano de demissão voluntária ou incentivada:

  • Em tempos de crise e corte de gastos, as empresas podem fazer um acordo com o colaborador de demissão voluntária. Em troca, ele recebe algum tipo de vantagem, como salário extra ou plano de saúde estendido;
  • A empresa deve negociar qual a melhor maneira para ambas as partes;
  • Para dispensas individuais, de grupo ou coletivas.

Mais boas práticas para empresas em tempos de pandemia de Covid-19:

Aqui, devemos pensar não a partir da lei e sim sob uma visão mais humana da situação em que estamos. Separamos alguns pontos de reflexão:

  •  Pessoas dos grupos de risco devem permanecer afastadas do trabalho presencial. O coronavírus apresenta mais risco de morte portadores de doenças crônicas como diabetes e hipertensão, asma e indivíduos acima de 60 anos e portanto essas pessoas necessitam de cuidados redobrados;
  • A área de RH está sendo fundamental para as empresas nesses tempos de gestão remota e reclusão. Talvez esse não seja o melhor período para sair de férias;
  • Muitas pessoas conseguem ser mais produtivas trabalhando de casa. Porém, cuidado com a extensão do tempo de cada um em suas atividades! Devemos ter tempo para começar e terminar o dia de trabalho, e veja se seus colaboradores não estão trabalhando mais do que deviam. 

Estamos diante de uma crise sem precedentes e para a qual nenhum de nós pode se preparar. O senso comum, a humanidade e a solidariedade são essenciais. Aliados a essas normas, eles nos auxiliam e orientam para melhor conseguirmos superar esse momento sem prejuízos de nenhum lado.  

E conte com a Vee para facilitar o desafio dos benefícios dos seus colaboradores neste período.

(Conteúdo atualizado em 08 de julho de 2020)

Gostou? Compartilhe

Conheça os benefícios diferentes mais oferecidos pelas empresas

Tempo de leitura: 4 min
Veja quais são alguns benefícios diferentes oferecidos por empresas para seus colaboradores.

Em poucas décadas, ocorreram muitas mudanças na cultura das empresas. As novas gerações, mais preocupadas com sua qualidade de vida, passaram a demandar maior flexibilidade das relações de trabalho. Atentas a isso, as empresas começaram a criar benefícios diferentes para colaboradores, no intuito de atender às expectativas dessa nova realidade.

Nos anos 60 e 70, Baby Boomers trabalhavam com rigidez e até a exaustão. Nas duas décadas seguintes, foi a vez do individualismo e competitividade da Geração X. Porém o momento atual, iniciado pelos Millennials, é criativo e libertário, e não guarda nenhuma das características de seus antecessores.

Ao perceberem essas mudanças, as empresas começaram a se adaptar às demandas das novas gerações e a inovar nas vantagens que oferecem aos trabalhadores.

Veja, neste artigo, uma lista de benefícios inusitados, e como eles podem auxiliar na retenção de talentos!

Como os benefícios diferentes para empregados podem trazer mudanças no atual modelo de trabalho? 

Há 20, 30 ou 40 anos, as empresas não eram pensadas em função do bem-estar dos colaboradores. Carreiras e hierarquias tinham mais importância do que o trabalho em si. Adaptar-se à estrutura era o principal requisito para o sucesso profissional.

As startups romperam esse paradigma e mostraram que flexibilidade tem relação direta com inovação e criatividade. Com isso, mesmo empresas tradicionais têm adaptado seus sistemas ao novo modelo, que respeita o propósito de vida das pessoas e oferece condições para que se desenvolvam.

É natural que mudanças de mentalidade venham acompanhadas de rotatividade de pessoal. E, para reter mentes criativas, é fundamental oferecer benefícios igualmente criativos. 

Vejamos alguns exemplos de sucesso!

Sala de meditação

Além de benefícios para o corpo, a meditação também aumenta a concentração e a produtividade. Por isso, além do bem estar proporcionado ao colaborador, oferecer uma estrutura para isso pode beneficiar também a empresa. 

Patinete elétrico

Junto das bicicletas elétricas, os patinetes elétricos também ficaram populares em alguns negócios. 

A empresa de tecnologia para gestão empresarial DOC88 oferece esse benefício diferente aos funcionários para que eles possam ir a reuniões, visitar clientes ou almoçar. A ideia surgiu depois de ver que muitos colaboradores já usavam os equipamentos para se locomoverem de casa para o trabalho e vice-versa.

Participação na sociedade 

Não é exatamente um benefício diferente para o empregado, mas tomou força em especial entre as startups. As chamadas “partnerships” funcionam como uma estratégia de retenção de talentos, que dão a possibilidade de, um dia, o colaborador vir a se tornar sócio da empresa.

Congelamento de óvulos e incentivos à maternidade 

Sem dúvida, esse é um dos benefícios diferentes para empregados mais originais oferecidos por uma empresa. O Mercado Livre oferece às suas funcionárias, desde 2018, a opção de congelarem seus óvulos e custeia esse procedimento para mulheres a partir de 33 anos e que já sejam funcionárias há, pelo menos, um ano.

A empresa também disponibiliza outros incentivos à maternidade. Dentre eles estão salas de apoio à amamentação e flexibilidade da jornada de trabalho no retorno da licença maternidade nos dois primeiros anos de vida da criança.

Auxílio home office 

Uma vez que muitos funcionários estão trabalhando remotamente, algumas empresas têm adotado o auxílio home office. Um valor é depositado na conta do colaborador para custear seus gastos com internet, luz e telefone.

Com a Vee, o pagamento dessas contas e boletos pode ser feito diretamente pelo aplicativo Vee Pay, com o saldo do auxílio home office disponibilizado pelas empresas. É só escanear o código de barras e pronto!

Auxílio com mobiliário 

Como o ambiente doméstico muitas vezes não está adaptado para o trabalho diário, diversas empresas decidiram oferecer um auxílio para possibilitar a compra de mobília, como cadeiras e mesas confortáveis.

Com a Vee, você tem condições especiais no acesso à NewValue, uma plataforma que oferece descontos exclusivos para quem precisa planejar a ergonomia, com vantagens em lojas de mobiliário, material de escritório e equipamentos eletrônicos, entre outros.

Terapia online 

Mais um importantíssimo dentre os benefícios diferentes para os empregados. O isolamento pode causar tensões e até mesmo depressão.

Algumas empresas, preocupadas com a saúde emocional de seus empregados, passaram a oferecer ajuda em pacotes de terapias online, autorizadas pelo Conselho Federal de Psicologia.

Aliás, você conhece o Zenklub? Ele ele é uma plataforma online e também é parceiro da Vee. Assim você pode oferecer ao seu colaborador desconto nas sessões com psicólogos, terapeutas e coaches na plataforma.

Cartões de benefícios podem auxiliar durante a pandemia

O fato de muitos funcionários não comerem fora de casa por causa do isolamento fez com que acumulassem créditos de vale-refeição. Porém, com uma gestão de benefícios flexíveis, esse saldo não fica inutilizado.

Em recente entrevista para o Yahoo Finanças, o CEO da Vee, Raphael Machioni, falou sobre o assunto. Uma pesquisa feita pela empresa mostrou que, entre os dias 1 de abril e 31 de maio, o uso do cartão de benefícios Vee com mobilidade caiu 3,67%, enquanto o volume de pedidos de comida em casa cresceu 24%, com acréscimo de 19,3% na quantia média utilizada. 

O uso percentual de transações utilizando benefícios para arcar com despesas de internet e energia aumentou em 229%, com uma alta de 189% no valor. E ainda a pesquisa indicou que aumentou 300% o uso em opções ligadas à cultura, como compra de livros e filmes.

Mesmo após o fim da pandemia, essas novas facilidades de compras e pagamentos permanecerão. E as empresas precisam estar atentas a esses tipos de benefícios diferentes para empregados. 

O cartão de benefícios da Vee é uma excelente alternativa! Entre suas vantagens, permite que o funcionário utilize seu saldo de acordo com seus gostos e necessidades pessoais.Quer saber como a Vee ajuda sua empresa na adoção de benefícios flexíveis? Entre em contato conosco e saiba a melhor forma de fazer isso!

Gostou? Compartilhe

Ferramentas para garantir flexibilidade e produtividade na gestão remota

Tempo de leitura: 5 min
Conheça ferramentas para a gestão remota e mantenha a produtividade da sua equipe alta.

De uma hora para outra fomos surpreendidos com grandes mudanças na rotina. As consequências do isolamento social são bem grandes, impactando não apenas o cotidiano das pessoas, mas também as empresas, que agora precisam se preocupar em descobrir ferramentas para produtividade na gestão remota do trabalho.

Sim, é isso mesmo. Agora, o desafio é coordenar os colaboradores enquanto eles trabalham fora da unidade empresarial. Um novo normal está surgindo, e nessa nova realidade estão incluídas mudanças como a adoção em massa do home office.

Isso significa novos desafios para gerenciar as operações, manter a cultura organizacional ativa e monitorar a produtividade e os resultados. Se tudo isso já é uma tarefa intensa quando feita presencialmente, imagina com todo mundo longe do escritório?

LiVEE 26 de agosto

Mas não é preciso perder suas noites de sono pensando em jeitos mirabolantes de fazer esse monitoramento, basta apostar na tecnologia. 

7 ferramentas para garantir flexibilidade e produtividade na gestão remota

Para te ajudar a escolher os recursos certos, nosso time separou 7 ferramentas para gestão remota. Elas são ideais para garantir a flexibilidade do home office sem perder a qualidade e o controle presencial. 

Veja abaixo quais são essas soluções digitais.

1 – Trello

O Trello é um app de visualização de tarefas individuais e coletivas. Ele pode ser instalado no seu celular ou acessado via navegador web, e faz um acompanhamento em tempo real das demandas.

O sistema segue uma metodologia de trabalho conhecida como Kanban, que é muito utilizada por grandes empresas e por líderes empresariais de destaque. O funcionamento é bem simples, basta criar quadros (que são como post-its) e organizá-los em colunas.

Além da organização da lista de tarefas, é possível assinalar responsáveis para cada demanda, inserir datas de entrega e até mesmo carregar anexos como textos, áudios e vídeos. 

A solução é gratuita, porém, a versão paga oferece alguns recursos a mais.

2 – Asana

Asana é um sistema digital de comunicação em grupo que opera em cloud computing. Usar essa ferramenta para gestão remota de trabalho vai permitir que os colaboradores reduzam um pouco o fluxo de e-mails trocados, optando pela comunicação direta no aplicativo.

Junto com os recursos de comunicação corporativa, é possível realizar:

  • Gestão de projetos;
  • Divisão de tarefas;
  • Determinação de prazos;
  • Escolha de níveis de prioridade para cada uma das demandas inseridas.

Sua empresa pode usar o Asana sem custos, porém, para desbloquear mais features é necessário aderir a um dos planos pagos disponíveis.

3 – Slack

O Slack é uma plataforma de gerenciamento de projetos e comunicação em equipe que traz mudanças profundas para o jeito como os times e funcionários se relacionam. 

Com ele, é possível dar adeus aos grupos de WhatsApp feitos para trabalho e acabar com a mistura de sintonias entre pessoal e profissional no celular das pessoas.

O Slack vai além da comunicação e garante a organização das conversas em canais específicos e permite o compartilhamento de arquivos e o gerenciamento de projetos. 

Uma dica especial para quem trabalha na área de desenvolvimento e programação: o Slack permite a troca de códigos dentro do corpo das mensagens sem fazer alteração nenhuma nas linhas. 

Para usar a ferramenta não é preciso gastar nada. Porém, se a sua equipe for maior, será preciso adotar um dos planos pagos para comportar todos os colaboradores.

4 – G Suite

O G Suite é desenvolvido pelo Google e traz para o usuário um pack de soluções que operam em nuvem. Estão inclusos apps como Google Docs, as Planilhas Google (Sheets), Gmail e tantas outras ferramentas da Big G.

Devido à gama de recursos, o G Suite é uma das ferramentas para gestão de trabalho remoto mais completas do mercado, contando com recursos para operacionalizar as atividades e também para facilitar a comunicação.

Diferente dos demais listados até aqui, a versão de entrada do G Suite já é paga e o valor total varia de acordo com a quantidade de usuários.

5 – IDoneThis

Esta ferramenta possui recursos para gestão de projetos. Um diferencial bem interessante são os relatórios de análise de impacto que levam as mudanças feitas no dashboard como base. Com isso, todo o desenvolvimento das tarefas é analisada pelo IDoneThis.

Se você busca uma ferramenta para gestão remota de trabalho, o IDT é uma excelente alternativa para quem precisa analisar minuciosamente o desenvolvimento das demandas e a performance de cada um dos colaboradores envolvidos nos projetos.

6 – Zoom

A comunicação audiovisual é indispensável em tempos de trabalho remoto. Por isso, sua empresa não poderá abdicar de um recurso para estruturar reuniões online e videoconferências. 

O Zoom é uma ferramenta bastante popular e eficaz para essas demandas empresariais, além de permitir que sejam comportadas muitas pessoas na mesma sala de reunião sem que haja problemas de conexão e nem cobranças por isso.

A ferramenta não é 100% grátis, porém, para empresas pequenas o Zoom em sua versão free vai cair como uma luva.

Um ponto importante: quem utiliza o G Suite também tem acesso ao Google Meets, uma ferramenta de videoconferência com funcionalidade similar ao Zoom.

7 – Ahgora

A Ahgora é a solução completa para gerenciamento e execução de tarefas indispensáveis no universo empresarial, tais como:

  1. Gestão de ponto;
  2. Controle de acesso;
  3. Eficiência operacional.

Baseado em cloud computing, as ferramentas da Ahgora permitem gestão em tempo real, gerando insights importantíssimos para a gestão empresarial. Com recursos como o Ahgora Live, você pode acompanhar o trabalho de colaboradores que estão fora das unidades de um jeito bem simples e eficiente.

As ferramentas para gestão remota da Ahgora são indicadas para empresas de todos os portes, já que os sistemas são escaláveis e desenvolvidos para se adaptar à sua realidade corporativa. 

Você vai se surpreender com a facilidade de uso e qualidade analítica, o que justifica os números da empresa, que já conta com mais de 3 mil clientes espalhados por todo o Brasil. 

Monitoramento não é o único caminho da produtividade

Calma, a ideia aqui não é criar uma polêmica, mas sim complementar o tema com uma outra perspectiva. 

O trabalho remoto demanda acompanhamento para que a performance seja equivalente ao que era obtido antes da adoção do home office.  Porém, uma maneira bem inteligente de engajar os colaboradores é oferecendo a eles os benefícios certos como forma de remuneração indireta.

As pessoas querem mais do que apenas um vale transporte e seu cartão de Vale Alimentação/Vale Refeição. Mas é possível ir bem mais longe, ampliar a gama de serviços e parcerias e, com isso, melhorar a satisfação dos funcionários com os benefícios que eles recebem.

Esse é o papel da Vee Benefícios nesse desafio do engajamento à distância! Colaboradores felizes com seus salários e benefícios tendem a intensificar sua produtividade, portanto, não deixe de ponderar a adoção de benefícios mais modernos e flexíveis no ambiente de trabalho.

Quer saber mais sobre os planos da Vee? Acesse e descubra tudo o que podemos fazer para transformar os benefícios da sua empresa

Gostou? Compartilhe

Os maiores aprendizados do RH Summit 2020

Tempo de leitura: 5 min
Veja os destaques do conteúdo e premiações do RH Summit 2020

Entre 22 e 26 de junho, o RH Summit 2020 reuniu mais de 80 mil participantes. A quarta edição do evento contou com mais de 60 palestras, divididas em 5 trilhas de conhecimento, e uma premiação – o GPTW Mulher.

Saiba um pouco mais sobre o que aconteceu nesses quatro dias, e descubra a importância do maior evento online e gratuito da América Latina

Como foi o RH Summit 2020?

O mercado de trabalho passa por transformações que se acentuaram com a pandemia. Foi necessária uma rápida adaptação ao home office, o que gerou desafios para os funcionários e também para o setor de Recursos Humanos. 

Através de palestras e cases de sucesso, o RH Summit 2020 buscou justamente trazer alternativas diante dessa nova realidade.

Conheça cada uma das 5 trilhas abordadas no evento e também a premiação GPTW Mulher.

LiVEE 26 de agosto

Employer Branding, Talent Acquisition, Benefícios e Onboarding

Bem-estar dos funcionários, engajamento e retenção de talentos são os objetivos do employer branding. O RH Summit 2020 trouxe empresas que têm como princípio ser uma marca empregadora. 

Além disso, foram abordadas formas de como atrair e reter talentos, e como os benefícios podem auxiliar nesse sentido.

Ações pontuais têm pouca quando se quer construir uma marca empregadora. Um trabalho constante, baseado em relacionamento, é o que garante o sucesso da empresa.

Analytics e Performance

Essa trilha alertou para o desafio de se encontrar um meio termo entre resultados e pessoas. Através de dados e exemplos trazidos pelos palestrantes, discutiu-se a melhoria da experiência e performance dos colaboradores.

Cada empresa tem sua cultura, seu contexto e suas peculiaridades. Logo, não existe um modelo único de gestão. São necessários diversos testes para escolher o mais adequado.

Todavia, independentemente do formato adotado, três pilares são importantes para a eficiência: 

  1. Alinhamento de prioridades;
  2. Diferenciação de performance;
  3. Feedbacks estruturados.

Educação corporativa, Liderança e Diversidade

Diversos depoimentos enriqueceram esse tópico, cada vez mais discutido nas organizações. Destacou-se a importância da disciplina e da busca por resultados para conquista de autonomia por parte dos colaboradores.

Falou-se também sobre a necessidade de treinamentos para a transformação digital, para que o funcionário não se sinta ameaçado pelas novas tecnologias. Técnicas de ensino interativas também se mostraram efetivas. Ensinar os colaboradores colocando-os em situações de decisão é uma boa forma de desenvolver liderança e autonomia.

Por fim, constatou-se que a diversidade nas empresas tem ligação direta com inovações e com melhores resultados financeiros. Contratar pessoas de culturas diferentes é estratégico para os negócios das organizações. Equipes homogêneas dificilmente trarão a riqueza de experiências tão necessária para a inovação. 

Cultura, Carreira e Remuneração

Essa trilha tratou dos novos rumos do mercado de trabalho. Valorização e incentivo ao estilo de vida do trabalhador, benefícios diferentes e atrativos foram alguns dos temas importantes abordados.  

Além disso, o impacto da Covid-19 na economia e como as empresas estão administrando suas consequências também foi um ponto de destaque.

A transformação do perfil das últimas gerações fez com que mudassem também os motivos pelos quais se escolhem, hoje, locais para se trabalhar. Novos profissionais buscam por lugares que se preocupem com seu estilo de vida. Dessa forma, as empresas têm percebido que, em vez de tentar eliminar as diferenças, é preciso respeitá-las para extrair o melhor delas.

Também foi feito um paralelo entre as remunerações fixa e variável. Concluiu-se que um salário fixo um pouco abaixo do mercado e com a possibilidade de um variável agressivo pode proporcionar ganhos acima da média.

Tendências e Carreira em RH

Destacou-se, aqui, o importante papel do RH no sentido de promover o engajamento dos colaboradores e incentivá-los para que invistam na sua própria capacitação.

Para que se sintam parte da transformação, os profissionais devem se sentir comprometidos e motivados. Se isso não acontecer, não adianta estruturar processos e técnicas de gestão.

A importância da legislação e questões trabalhistas também foi abordada. Apesar de ainda não existir regulamentação efetiva para freelancers e contratos híbridos, isso em breve ocorrerá. E, num futuro próximo, as empresas precisarão de expertise para lidar com essas questões.

Prêmio GPTW Mulher

O Great Place to Work é uma consultoria global que apoia organizações a obterem melhores resultados através de uma cultura de confiança, alto desempenho e inovação. 

No RH Summit 2020 a premiação promovida pela organização teve como foco a promoção do protagonismo feminino na sociedade e no mercado de trabalho.

Apesar de o número de mulheres ter crescido dentre lideranças políticas e empresariais, ainda está muito aquém da participação masculina. 

Segundo relatório do Fórum Econômico Mundial divulgado em 17/12/2019, as mulheres terão de esperar dois séculos por igualdade no trabalho. O fórum, com sede em Genebra, avalia anualmente as disparidades em 153 países em quatro áreas: educação, saúde, oportunidade econômica e capacitação política.

O estudo alerta para o aumento da desigualdade entre homens e mulheres no mercado de trabalho em todo o mundo. Em média, apenas 55% das mulheres adultas trabalham, comparado a 78% dos homens, e ganham cerca de 40% a menos para realizarem trabalhos semelhantes. O Brasil ocupa 92ª colocação no ranking de paridade.

O evento contou com 640 empresas inscritas, dentre as quais 70 foram selecionadas. Destas, metade representaram a categoria médio porte, e metade, grande porte.

Os vencedores de cada categoria foram:

Médio Porte

·         1º Lugar – Levvo (grupo empresarial brasileiro e franquia McDonald’s)

·         2º Lugar – Bristol-Myers Squibb (farmacêutica)

·         3º Lugar – Mastercard (pagamentos eletrônicos)

·         4º Lugar – Aspen Pharma (farmacêutica)

·         5º Lugar – Qualirede (gestão de planos de saúde)

Grande Porte 

·         1º Lugar – Johnson & Johnson (farmacêutica e higiene)

·         2º Lugar – Accor (rede hoteleira)

·         3º Lugar – Boticário (cosméticos)

·         4º Lugar – Cognizant (inteligência artificial)

·         5º Lugar – Laboratório Sabin (medicina diagnóstica)

Como a pandemia está afetando os orçamentos das empresas?

O CEO da Vee Benefícios, Raphael Machioni, foi um dos palestrantes e abordou a questão da pandemia e home office no RH Summit 2020. Segundo ele, o novo modelo já está trazendo importantes transformações digitais, alguns exemplos são:

  • Maior diversidade;
  • Recrutamento sem barreiras;
  • Incentivo ao protagonismo nas decisões.

Entretanto, isso exigirá das empresas novas ferramentas de controle de produtividade à distância para uma eficiente gestão remota. 

Além disso, o home office demandará flexibilidade em relação a benefícios, para atender as necessidades dos diferentes colaboradores. Gastos com vale-refeição e transporte, por exemplo, darão lugar a outros como deliverys e aumentos de despesas em casa. Por isso a importância de que os benefícios se tornem menos engessados e mais flexíveis.

–Quer conhecer mais sobre os nossos planos? Acesse nosso blog e descubra todas as soluções que podemos lhe oferecer para tornar os benefícios da sua empresa flexíveis e adaptados às necessidades de seus funcionários!

Gostou? Compartilhe

Vee e Wiz Saúde fazem parceria ampliando oferta de benefícios flexíveis

Tempo de leitura: 3 min
Em tempos de pandemia, benefícios flexíveis são a resposta. Por isso a Vee e a Wiz saúde se uniram.

A maneira com a que nos relacionamos com os nossos empregos vem mudando nos últimos anos. Cada vez mais as pessoas buscam ambientes de trabalho nos quais possam equilibrar sua vida, alinhados com os seus princípios e valores éticos e que atendam os seus anseios. Para atrair estes profissionais, as empresas buscam as melhores soluções e práticas mais atuais: horários alternativos, home office algumas vezes na semana e benefícios flexíveis, entre outros.

A pandemia de Covid-19 não criou, mas acelerou essas transformações. De repente, a gestão remota já não é mais uma alternativa, mas obrigatório. As pessoas se viram questionando os benefícios que recebem dos seus empregadores. O que fazer com um vale-refeição se não temos restaurantes? O mesmo vale também para descontos em academias, por exemplo, que permanecem fechadas.

Foi pensando nisso que a Vee Benefícios e a Wiz Saúde, unidade de negócio do conglomerado Wiz, especializada na gestão de benefícios de plano de saúde, odontológico e seguro de vida em grupo, criaram uma nova parceria. O objetivo é levar benefícios flexíveis e atender de forma criativa e inovadora as novas necessidades e exigências do RH das empresas.

“Esse trabalho em conjunto com a Wiz vai potencializar o nosso canal de vendas, oferecendo a solução fundamental para quem precisa entregar valor e se posicionar ao lado de seus colaboradores no atual momento em que vivemos”, explicou Raphael Machioni, CEO da Vee.

O anúncio foi feito em uma live na última terça-feira (16 de junho). Participaram dessa transmissão Francesca Bianco, diretora-executiva da Wiz Soluções; Raphael Machioni, CEO da Vee Benefícios; Marcelo Nobrega, conselheiro Vee e especialista em Gestão e RH; e Eduardo Gouveia, conselheiro Vee e especialista em loyalty, benefícios e meios de pagamento.

Reveja a live da Vee Benefícios com a Wiz Saúde:

A pandemia e o confinamento exigem que as empresas se adaptem a uma nova realidade sem volta atrás: as mudanças que estão acontecendo agora não voltarão ao seu estágio anterior.

“A crise deste momento é a hora do RH brilhar. Nas outras crises brilharam os times Financeiros, de Supply Chain. Agora os Recursos Humanos estão no meio disso”, explicou durante a live Marcelo Nobrega. “Essa preocupação com o bem estar físico e emocional das pessoas é o domínio de recursos humanos. Como ajudar as pessoas e os líderes a continuar com uma dinâmica boa de trabalho?”

Uma das maneiras de se ajudar os colaboradores é oferecendo a eles a flexibilidade nos benefícios e, consequentemente, a liberdade para gerenciar o que recebem de acordo com as suas necessidades e desejos individuais, como explicou durante a live Eduardo Gouveia.

“O ‘one size fits all’ já não funciona. Cada vez mais é necessário ter funcionalidade de poder escolher os benefícios que funcionam pra você. É preciso de ferramentas que individualizam a relação do RH com o funcionário”.

Diretora-Executiva da Wiz Soluções, Francesca Bianco também falou sobre a importância se enxergar cada um dos colaboradores separadamente e a atenção à saúde emocional e física, sobretudo no momento em que vivemos.

“A gente precisa gerar bem estar e influenciar aspectos em que as pessoas se sintam bem física e emocionalmente. Com a parceria com a Vee conseguimos dar essa flexibilidade e atender uma necessidade: eu dou autonomia e poder de escolha (ao colaborador), o que o engaja, e consequentemente ajuda o RH.”

Juntas, a Vee e a Wiz Saúde têm potencial de levar a solução de benefícios flexíveis a um número maior de empresas, atendendo as necessidades das pequenas e médias companhias.

Conheça algumas vantagens de ter benefícios flexíveis na sua empresa

Empoderamento do colaborador

Ao ter suas necessidades individuais respeitadas, as pessoas se sentem mais valorizadas e funcionários felizes apresentam resultados melhores, como apontam pesquisas.

Além disso, quando os colaboradores estão mais satisfeitos com o ambiente de trabalho, aumenta a taxa de retenção do time e a rotatividade, uma das maiores dores de cabeça para as empresas na atualidade, é mitigada.

Facilidade na gestão de benefícios

No modelo mais tradicional, quando uma empresa quer oferecer diferentes benefícios para os seus funcionários, ela acaba tendo uma infinidade de fornecedores. Com isso, o time de recursos humanos acaba perdendo muito tempo apenas para gerenciar diferentes sistemas. Tempo que poderia ser investido em projetos mais relevantes para a saúde organizacional.

Antecipação a crises

Empresas com benefícios flexíveis não precisaram se preocupar em adaptar os benefícios do seu time quando o Brasil entrou em quarentena, afinal as pessoas puderam redirecionar os seus gastos sozinhas, sem a necessidade de auxílio do RH.

Quer saber como a Vee pode ajudar a sua empresa a entrar na era dos benefícios flexíveis? Entre em contato com o nosso time clicando aqui.

Gostou? Compartilhe

O RH precisa agir mais como Marketing para a atração de novos talentos

Tempo de leitura: 3 min
O RH agindo como marketing integra as duas áreas da empresa e pode trazer bons resultados.

O marketing de uma empresa sabe da importância que o setor de recursos humanos tem ao desenvolver as habilidades dos colaboradores de forma que isso tenha impacto no negócio. Por outro lado, o RH também poderia usar muitos conhecimentos que a área de marketing tem para desempenhar e otimizar suas funções.

Esse conhecimento entre áreas não está somente ligado a dados, é muito mais que isso. Para ajudar na atração e retenção de talentos, veja a seguir algumas dicas ligadas a marketing que o setor de RH pode usar:

O que o RH pode aprender com o marketing

  1. Competição por talentos
  2. Humanização
  3. Colaboradores representando a empresa
  4. Propaganda
  5. Cultura
  6. Criatividade
  7. Estratégia

A atração de novos talentos envolve competição com outras empresas também interessadas neles e está muito ligada à competição por clientes com outras marcas. O LinkedIn, por exemplo, é uma plataforma bastante utilizada no mercado profissional e pode ser uma ferramenta interessante para captar novas pessoas para o seu time. Mas, para isso, a imagem do RH nessa rede, ou em qualquer outro local em que estiver, deve ser atrativa, vendendo o que o negócio tem de melhor e mostrando porque aquele talento vai querer trabalhar na sua empresa.

Ainda sobre esse ponto, é bastante relevante que o RH saiba mapear quem são os potenciais candidatos que gostariam de contratar e que tenham a ver com o perfil buscado. Assim será mais fácil visualizar com quem a sua empresa deve interagir e, posteriormente, convidar para um processo seletivo.

Qualquer empresa que utilize plataformas para representar sua imagem deve saber que, por trás disso, é preciso haver um lado humanizado, por meio do qual qual as pessoas possam enxergar o seu negócio como algo real e atrativo. 

Uma das formas de aproximar as pessoas de fora da empresa para atraí-las, é mostrar a rotina de um dia de trabalho e apresentar, de formas informais, como é aquele ambiente.

Criação de conteúdo

O termo “vestir a camisa” da empresa tem tudo a ver com esse tópico. Colaboradores que acreditam na cultura da empresa e demonstram que sentem orgulho de trabalhar ali agregam muito valor à construção de uma imagem positiva, de um lugar que tem uma boa saúde organizacional, bons propósitos e é atrativo para trabalhar. Ou seja, investir em ações relevantes para os próprios colaboradores também é uma forma do RH aproveitar para captação de novos talentos.

Afinal de contas, se o marketing utiliza conteúdo para atrair novos cliente, a área de recursos humanos também deve usá-lo para os novos talentos. Ainda que essas propagandas e publicidades sejam pagas, é importante se mostrar relevante para certos perfis de pessoas selecionadas para fazer com que elas se enxerguem se sentindo realizadas trabalhando na sua empresa.

Para que os itens acima sejam executados da melhor forma, é importante que a cultura da empresa esteja bem clara. O marketing é a melhor área para ajudar com isso e, junto do RH, pensar em como construir uma identidade para a empresa.

Além disso, a missão, visão e valores devem estar aparentes não só para o público interno do negócio, mas como também para o externo. Para que isso aconteça de forma mais orgânica, os colaboradores precisam se sentir engajados. Assim, a imagem passada é mais verdadeira para todos que estiverem sendo impactados, fazendo com que eles descubram que têm o mesmo propósito que a sua empresa. Em live que a Vee fez, o conselheiro Eduardo Guerreiro falou bastante sobre a cultura da empresa.

Destacar-se é essencial

Ser um diferencial no mercado é necessário e o marketing sabe mais do que ninguém da importância da criatividade para ganhar destaque. Por isso, pensar em novas maneiras para chamar a atenção, diferentes dinâmicas de processo ou de posicionamento podem ajudar muito para atrair talentos a sua empresa.

No âmbito de marketing, quando um cliente vai procurar por um produto ou serviço, ele também os compara com os demais. Para isso, cada marca deve deixar claro quais são seus pontos mais fortes e porque ela deve ser a escolhida. Para o RH, isso deve funcionar da mesma maneira. Um talento, ao olhar para a sua empresa, deve saber quais são as vantagens que ela oferece, tais como salário, cultura e benefícios.

Você sabia que, segundo pesquisa da Glassdoor, 80% das pessoas preferem ter mais benefícios do que aumento de salário? Isso porque, entre outros fatores, quando uma empresa oferece um pacote com diversos cuidados para diferentes âmbitos da vida de um colaborador, na verdade, o salário acaba sendo muito mais potencializado. Ainda assim, o RH tem bastante dificuldade em escolher quais desses benefícios serão oferecidos pela empresa, já que é preciso lidar com um time de pessoas diferentes, com vários gostos, preferências e estilos de vida. Por isso, a inovação desse mercado são os benefícios flexíveis.

Com eles, o seu colaborador tem a liberdade de escolher como e onde usar seus benefícios. A Vee oferece uma plataforma com cuidados para a saúde emocional, academias, clube de descontos, entre muitos outros.

Saiba mais como ajudamos a sua empresa a compor um mix de benefícios!

Gostou? Compartilhe

O que a sua empresa precisa saber sobre os Millennials

Tempo de leitura: 4 min
Quem são os millennials e o que as empresas precisam saber sobre a geração Y para mantê-la motivada no ambiente de trabalho. Entre os aspectos: flexibilidade e diversidade.

Você sabe quem são os millennials? Muito mais do que apenas integrantes da Geração Y, nascida entre 1980 e o início dos Anos 2000, eles são os jovens adultos que entraram ao mundo em tempos digitais e chegam ao ambiente de trabalho com outros propósitos. Ou talvez nem tanto, mas as empresas os veem como uma grande incógnita e têm dificuldade de decifrar suas vontades e expectativas, dificultando a atração e retenção destes talentos. Por isso, confira o post de hoje para entender melhor sobre o assunto.

O que os millennials querem?

É mais fácil do que você imagina. Para muitas empresas, essa pergunta parece ser quase impossível de ser respondida. Afinal elas acreditam que millennials não se mantém em nenhum local de trabalho e estão sempre em busca de novos empregos. Sendo assim, não haveria soluções para criar algo que os fizessem crer que vale a pena permanecer exatamente onde eles estão atuando no momento. Mas ainda bem que, a partir de dados e pesquisas, podemos quebrar alguns estereótipos.

Em estudo realizado pela CNBC em 2015, descobriu-se que 87% dos millennials estão satisfeitos com o treinamento e desenvolvimento de habilidades que recebem no trabalho. Quando comparado ao restante da população, esse percentual representa 76%. Nessa mesma pesquisa, averiguou-se que as preferências de outras gerações e dos millennials em uma empresa são praticamente as mesmas. Por exemplo, o equilíbrio entre a vida pessoal e profissional representa 18% de importância para os eles, enquanto, para o restante, 19%.

Apesar dessas estatísticas quebrarem certos conceitos, a Harvard Business Review fez uma pesquisa em 2016 na qual os millennials correspondiam a 21% dos colaboradores que haviam deixado seus trabalhos para fazer alguma outra coisa. O número é três vezes maior que o de outras gerações. Porém, não há uma resposta nem dados que relatam para onde esses millennials foram.

Mas então, como manter a Geração do Milênio dentro da minha empresa?

Aqui vão alguns pontos:

  1. Clima Organizacional
  2. Tecnologia
  3. Qualidade de vida
  4. Benefícios Flexíveis

Uma geração mais questionadora e que vai atrás de seus interesses, ela também busca um local de trabalho que tenha a ver com os seus ideais. Por isso, mais do que um salário, eles buscam um ambiente engajador, que os faça sentir parte da cultura da empresa, onde eles tenham um senso de pertencimento e possam ter voz para expor suas ideias. Mas, aqui vai uma outra notícia: em pesquisa da Gallup Pull de 2015, constatou que apenas 28,9% dos millennials diziam se sentir engajados em seu trabalho.

Por isso, proporcionar feedbacks regulares e uma avaliação de desempenho sobre sua performance pode ser interessante e satisfatório para essa geração. Isso faz com que também seja possível entender quais são as expectativas deles em relação ao trabalho e, assim, poder alinhar uma boa gestão para reter estes talentos em sua empresa.

Outro ponto importante aqui é a saúde organizacional. Afinal, isso interfere diretamente no ambiente de trabalho e no modo como esse grupo enxerga a empresa. Essa geração está interessada em um senso de comunidade, em boas relações e, inclusive, trabalhos sociais ou que, de alguma forma, causem impactos positivos na vida de seu cliente.

Ter crescido em um ambiente tecnológico é um fator que deve estar presente em todos os aspectos que estão em torno da vida dos millennials. Isso inclui o trabalho. Para isso, proporcionar ferramentas tecnológicas que eles possam usar para desenvolver suas atividades pode ser muito bem visto e melhor aproveitada nas mãos desta geração. Essa contribuição caminha em uma via de mão dupla, pois a Geração Y tem experiências que podem agregar no crescimento e desenvolvimento das empresas. Além disso, envolvê-los em cursos onlines pode ser interessante e satisfatório para eles.

Claro que a qualidade de vida é um aspecto que todos os colaboradores desejam. Para um millennial, porém, existem algumas demandas que podem ser flexibilizadas pelas empresas. Um exemplo disso são horários flexíveis e o Home Office. Se suas atividades podem ser feitas em períodos não específicos e à distância, então por que não proporcionar isso a eles?

Além disso, a qualidade de vida está relacionada com um equilíbrio saudável das demandas do trabalho com outras necessidades da vida de um millennial. Isso tem a ver com a saúde emocional, atividades físicas, eventos pessoais, entre outros.

Uma forma de proporcionar uma boa qualidade de vida é oferecendo Benefícios Flexíveis. Um millennial certamente terá diferentes gostos e interesses que o restante dos colaboradores de uma empresa pertencentes a outra geração. Ao oferecer benefícios de forma flexível, você permite que ele próprio decida com o que é mais conveniente usar o dinheiro e como gerenciar o valor recebido. Além disso, essa ferramenta é um demonstrativo de que cada pessoa dentro do seu negócio é única e tem a liberdade para ser como quiser, contribuindo com o seu melhor e sua produtividade.

A Vee pode ajudar a sua empresa a compor um mix de benefícios para os seus colaboradores. Por mais simples que pareça, escolher como usar o Vale Refeição e o Vale Alimentação pode ser um bom fator de decisão na hora de aceitar a proposta nova de trabalho.

Os setores de RH também podem desenvolver os millennials dentro das empresas, envolvendo eles em novos desafios. Dessa mesma forma funciona a atração de novos talentos dessa geração. A transparência e demonstrar o tipo de experiência que a sua empresa pode proporcionar a eles em diferentes aspectos da vida, não só profissional, são os pontos chave para fazer com que eles se sintam mais interessados no trabalho do que no próprio salário em si.

Vale ressaltar que cada geração tem seus próprios propósitos em um ambiente de trabalho, mas todas elas estão juntas produzindo para uma mesma causa na qual acreditam dentro da empresa. Por isso, a diversidade dentro de um negócio é essencial: ela quebra preconceitos, expande as ideias e cresce sob diferentes olhares de cada colaborador.

Gostou? Compartilhe

Como a Espanha lida com a volta ao trabalho presencial pós-pandemia

Tempo de leitura: 3 min
O que o Brasil pode aprender com a Espanha na volta à rotina de trabalho pós-Coronavírus.

Ainda é incerto como será o mundo pós-pandemia de Covid-19. A única coisa que se pode concluir é que não será mais o mesmo e as empresas devem começar a se preparar para enfrentar desafios deste “novo normal” na volta ao trabalho.

No segundo episódio da série de lives que a Vee e o RH Play preparam para ajudar os RHs nesse contexto, os convidados foram Caio Barroso e Estella Barroso, fundadores do Lá na Firma. Esta é uma empresa de consultoria, inovação e gestão de pessoas com sede em Barcelona, na Espanha, país que já passou pela mesma situação em que o Brasil se encontra. Assim, eles puderam trazer várias dicas e informações valiosas. Junto deles, também estava participando o CEO da Vee Raphael Machioni e Jessica Martins, Head e Co-Founder do RH Play.

Barcelona está abrindo seu comércio e a volta ao mundo presencial aos poucos. O uso das máscaras nas ruas ainda é obrigatório e as empresas precisam seguir uma linha de cuidados previstos para que os colaboradores trabalhem com segurança.

Essa volta aos espaços físicos chega junto a mudanças de comportamento, necessárias de serem colocadas em prática pelas pessoas. Dentre esses aspectos estão a falta de contato uns com os outros, o distanciamento mínimo de dois metros e bastante higiene.

O que podemos aprender com a Espanha na volta trabalho pós-pandemia

Veja algumas mudanças que foram implementadas no Lá na Firma e que os RHs podem usar como inspiração no retorno ao escritório pós-pandemia:

Horários e Rodízios

Na volta ao trabalho, é importante pensar nos transportes públicos e quais são os maiores horários de pico deles. Assim, o colaborador que utiliza esses meios para chegar ao trabalho pode optar por horários em que a aglomeração é menor.

Além disso, escolher diferentes horários para que as equipes se dividam também é importante, assim uma quantidade menor de pessoas está no mesmo local ao mesmo tempo. Fora os turnos intercalados, uma ideia também é alternar dias presenciais com Home Office.

Ambiente

Os elevadores que os colaboradores utilizam para chegar no andar do escritório também precisam ter certas regras neste momento de pós-pandemia. Por exemplo: encostar o mínimo possível nas superfícies, somente utilizando um dedo para apertar o botão, apenas duas pessoas no máximo por vez e, sempre, com a utilização de máscara.

As disposições dos escritórios, que foi comentada na live com Ivo Wohnrath sobre mudanças na arquitetura, também já estão acontecendo no Lá na Firma. Cada colaborador tem sua mesa virada uma de costas para a outra. No chão, têm setas indicando apenas um sentido para ser caminhado, a fim de evitar esbarrões e encontros inesperados.

Empatia

Uma comunicação de alertas uns com os outros para lembrar de cuidados que cada um deve ter também é interessante, pois o momento pede empatia com todos. Todas as ações de cada colaborador dentro e fora da empresa têm impacto nos demais, por isso, uma ideia para os RHs aderirem é fazer com que as pessoas assinem uma declaração de responsabilidade e compromisso de seus atos com o local de trabalho.

Proximidade à distância

Ainda que a distância exista, ela não é impedimento de que a sensação de proximidade uns com os outros prevaleça. A cultura da empresa, inclusive, deve ser preservada. Isso pode ser feito por meio de ligações em grupo, conferências, conversas descontraídas como aconteciam no ambiente presencial. Isso gera um maior engajamento, além de saúde organizacional.

Saúde Emocional e bem-estar

Na mesma linha de uma comunicação que visa a proximidade, ela também deve existir como um canal aberto para falar sobre questões internas e problemas. O foco maior deve ser nesses cuidados, voltados a saúde emocional, com plataformas online, exercícios físicos que podem ser feitos em casa, meditação, entre outros.

Mudança de hábito

Cada vez mais percebe-se o quanto o consumo das pessoas está mudando a partir desse novo cenário e o impacto que isso terá para os negócios. São novas prioridades, necessidades e até mesmo preferências. Por isso, uma das ferramentas que possibilita que os RHs possam proporcionar ao seu colaborador liberdade de escolha é oferecendo benefícios flexíveis. Com eles, cada um utiliza como desejar!

Saiba mais como a Vee ajuda a sua empresa a compor um mix de benefícios.

Gostou? Compartilhe

O que mudará nos escritórios pós COVID-19

Tempo de leitura: 4 min
Veja como as estruturas físicas de escritórios vão mudar depois da pandemia.

A Vee Benefícios realizou uma live para abordar um tema de extrema relevância ao RH para o momento em que o Brasil se encontra e que, em breve, estará inserido – a volta ao novo normal depois da pandemia no mercado de trabalho. Como serão os escritórios pós-Covid 19?

Para isso, veja quem foram os convidados: Ivan Wohnrath, que é Sócio e CEO da Athié Wohnrath,  uma das maiores empresas de arquitetura de ambientes corporativos do Brasil, que atua há mais de 27 anos no mercado. Junto dele, também teve a presença de Marcelo Nobrega, conselheiro da Vee e Linkedin Top Voice e Raphael Machioni, CEO da Vee Benefícios. 

O cenário da sua empresa depois do Covid-19 pede planejamento, já que, diferentemente de como tudo começou, agora os setores de recursos humanos tem tempo para organizar a melhor forma como será esse retorno aos espaços físicos do escritório e aos novos modelos de trabalho.

Algumas dicas pro RH adaptar os escritórios pós-Covid

Para contextualizar melhor e poder planejar como exercer uma mudanças nas estruturas dos escritórios, é importante visualizar dois momentos distintos. O primeiro deles seria a volta gradativa para os escritórios, na qual imagina-se que vá de junho/agosto até o início do ano de 2021. 

O segundo ciclo seria na sequência, após avanços medicinais, com vacinas e remédios, no qual as pessoas, a partir das experiências que tiveram durante a crise e a volta gradativa, vão desejar adaptações nos escritórios. 

Mas, afinal, o Home Office não era uma prática que viria para ficar? Depende! Em pesquisa apontada por Ivo Wohnrath sobre planejamentos feitos pela Athié Wohnrath, apesar do trabalho remoto ser bem aceito, imagina-se que não será tão grande assim. Além de muitas pessoas terem relatado sentirem-se mais solitárias ou, inclusive, abandonadas pelas empresas, algumas atividades são mais eficazes ou até essenciais de maneira presencial. 

Mas, como apontado anteriormente, é relativo. Segundo estudo realizada pela Universidade de Stanford, 50% dos colaboradores que trabalham em Home Office queriam voltar ao trabalho presencial. Ou seja, metade. Por isso, é válido que cada empresa tenha o seu próprio panorama, com o RH fazendo pesquisas internas e conversando com cada colaborador para entender quais são suas vontades. 

De qualquer maneira, é fato que os escritórios, de um jeito ou de outro, deverão remodelar suas estruturas. De acordo com Ivo Wohnrath, deverá haver uma menor quantidade de componentes que possam gerar contaminação. 

Na prática, o que vai mudar na estrutura física dos escritórios? 

  • Mesas flexíveis: ou seja, mesas que possam ter várias configurações para diferentes espaços, podendo adequar-se a tamanhos maiores ou menores. Isso porque, é necessário pensar que é possível que, a partir de agora, existiram outros momentos de pandemia que exigirão uma nova reclusão. 
  • Salas de runião e ambientes colaborativos: imagina-se que estes serão mais abertos e arejados, mas que proporcionem uma sensação acolhedora e descontraída. Será necessário que tenha infraestruturas tecnológicas adequadas, a fim de facilitar conversas e reuniões online. Além disso, também é importante pensar que o local demandará uma estrutura para apresentações de planilhas e projetos. Há hipóteses de que algumas reuniões poderão ser configuradas em pé! 
  • Ambientes mais espaçados: é importante seguir a recomendação de dois metros de distância entre cada colaborador. Por isso, uma nova disposição das mesas e cadeiras será necessária, como poltronas intercaladas e menor quantidade de assentos. Para as empresas que ainda não tem a adoção: laptops no lugar de desktops

Muitas empresas foram impactadas economicamente devido a crise do Covid-19, mas um local que visa o bem-estar dos colaboradores faz com que eles se sintam seguros e permite que as orientações de higiene sejam feitas. Além disso, outra questão que os negócios devem se atentar é na atração e retenção de talentos, que estarão demandando por ambientes que condizem com o cenário em que o novo mundo se encontra. 

Para o segundo ciclo que a Athié Wohnrath projetou, uma fase já tendo em vista vacinas acessíveis, é importante que os locais de trabalho tenham uma filtragem de ar, com equipamentos sofisticados. 

Mas, aos negócios que decidirem manter ou estruturar um trabalho remoto, precisam saber que o seu colaborador deve ter um espaço onde seja possível manejar suas atividades do dia a dia da melhor forma. Temos um post em que explicamos um pouco mais sobre essas questões legais do que a empresa deve saber em relação aos seus funcionários e sobre os benefícios em tempos de Home Office

Por fim, para saber se a sua empresa deve continuar com a prática de Home Office ou voltar ao trabalho presencial pós Covid-19, faça uma análise da satisfação de seus colaboradores, entenda o cenário do seu negócio e o que pode ser flexível para que os dois modelos de trabalho possam ser aplicados. Proporcione flexibilidade com os benefícios flexíveis! 

Assim, com trabalhos alternados entre presencial e remoto, as empresas podem oferecer os Benefícios Flexíveis, que são adaptáveis a qualquer tipo de situação, preferência ou necessidade de cada um. O seu colaborador escolhe onde e como ele deseja gastar os benefícios oferecidos pela empresa! Conheça a Vee e saiba mais porque ela é a melhor opção nesse mercado. 

Reveja a live da Vee + RH Play sobre as mudanças no escritórios pós-Covid

Gostou? Compartilhe